Pesquisar este blog

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Otherwise

E tem aquele momento em que você resolve prestar atenção à letra da música, e parece que foi escrita para você.



A specimen like you I would love to obtain
I'd love to impress you with a back somersault
I want to take out your love but it's locked in a vault
I wanna take up your love but it's locked in a vault

When I open my mouth I'm so brutally honest
And I can't expect that kind of love from you

I'm under your curse now
But they call it compromise
I thought that you were wise
But you were otherwise

Queria um mundo só meu

De repente ele se pega chorando. Está cansado, está abalado, está incrédulo com tudo o que aconteceu. Quando é que ele vai acordar? Pois tudo parece um sonho, brincadeirinha de criança e logo vai terminar. Não, é tudo verdade, agora tudo será diferente e ele jamais será o mesmo. 
Seria difícil reconhecê-lo no meio da multidão?! Ele agora é tão diferente dos demais e gostaria tanto que existisse um planeta só para ele e para todos aqueles que agora são diferentes também. Assim ele poderia se sentir igual. 
Em que momento ele decidiu estragar tudo?

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Então é Natal!

"Então é Natal, e o que você fez?"
Eu fiz muita coisa, nem cabe aqui nessa página. Como não estou afim de uma restrospectiva, vamos falar o que a família dele fez/fará: um amigo secreto. É coisa corriqueira, todos fazem. Só que dessa vez é diferente.
São 10 pessoas e o engraçado foi comprar os presentes. Como é pouca gente, não teria graça contar pra mãe ou pro marido quem você pegou, já entregaria metade do secreto. E cada um partiu isoladamente comprar seus presentes, quase uma missão secreta. Legal foi a lista de pedidos (algo prudente para evitar presentes "tortos"). Vamos analisar.

Teve aquele decidido que disse "qualquer coisa".
Teve a sonhadora que pediu um perfume do Boticário (sendo que estipularam um valor para o presente e Boticário fica fora de cogitação).
Teve a preguiçosa que pediu um vale-livro.
Teve o exigente que pediu uma camisa fresca e com bolso, não podendo ser pólo nem com gola redonda.
Teve o pobre que pediu café ou cerveja.
Teve a garota que segue a moda e pediu chocolates da Cacau Show.
Teve o genérico que pediu simplesmente camisetas, chocolates ou chinelos. 
Teve o mesmo de sempre pedindo CDs.
E para encerrar teve aquela que pede de tudo, bijus, maquiagem, hidratantes, blusinhas, DVDs, roupas de academia, utensílios para combinar com a sua cozinha e... 

Será lindo, será divertido, será comilança, será alegria. Viva o Natal!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Horizonte

O Sol iluminou o seu rosto. Dessa vez foi diferente, parecia ser outro Sol, parecia ser outro Mundo. Na realidade, ele é que estava diferente. Apesar dos pesares, renovado. Agora sente-se pronto para encarar esse novo planeta à sua frente. O olhos não mais ficarão encarando o solo, agora estão fixos no horizonte porque ele só quer seguir em frente. Agora ele busca o horizonte porque "é para isso que serve o horizonte, para nos fazer caminhar". Parar... nunca!

"I got a second hand chance, got rainbow colors and no more rain"

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Novos dias virão?

Pronto. O pior já passou. Será? Ainda lembro das luzes, enfileiradas, passando por meus olhos. Na verdade, era eu quem passava por elas.
Acabou? Pode estar longe do fim. O que eu comecei pode nunca acabar. Tanta dor que eu causei a mim mesmo, tanto tormento. Lágrimas minhas e lágrimas que arranquei de outras faces. Eu causei tudo isso. Mesmo assim mereço toda essa atenção e todo esse cuidado?
Sinto tanto amor e ao mesmo tempo não me sinto merecedor, pois eu fiz isso. Foi tudo minha culpa. E por mais que as palavras teimem em sair, eu sei que "me desculpe" não serve. As feridas saram, mas a dor permanece. Podemos consertar o que se quebrou, mas ainda podemos enxergar as rachaduras. Irreversível.
E as luzes, elas continuam a passar e passar. Na realidade, era eu quem passava por elas.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Não posso evitar

Não consigo mais olhar nos olhos das pessoas. Os olhares parecem queimar. Tudo o que eles parecem fazer é julgar. De qualquer modo, meus olhos já perderam a força de olhar nos olhos, eles só conseguem olhar para baixo. 

Tudo é fruto da minha imaginação, mas não consigo evitar. Só posso evitar de olhar.

domingo, 20 de novembro de 2011

Sem valor

E é quando você se sente sem credibilidade. É quando sua palavra perdeu o valor. Parece que tudo o que fez ou fará não será visto com os mesmos olhos. Nunca mais vão acreditar em você.
As circunstâncias o transformaram de ovelha negra ao belo cordeiro exemplar. Ele nunca quis este status, ele nunca quis ser o exemplo. Por um descuido natural que qualquer homo sapiens cometeria, tudo desabou. Sua palavra continuará tendo valor?
Exageros, drama e incerteza. Pode ser que nada tenha mudado, mas ele mudou. A confiança e credibilidade que ele mesmo se depositou um dia, já não existem mais. Tudo acabou. Agora é só ele, um vaso quebrado e sem valor.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Flesh

Um pedaço de carne. Um pedaço mal-feito de carne e que agora apodrece. Não importa o tempero, o gosto estranho estará lá. 
O problema está na produção, a carne já nasceu estragada e com o tempo novos agentes trataram de judiá-la ainda mais.
Apenas um pedaço de carne... tentando viver humano.

sábado, 22 de outubro de 2011

Carro novo é?!

Como de costume, dirigem-se ao estacionamento (dia de carona da profe). Chegando lá, entram no carro.
- Hmmm trocou de carro é, profe?!
- Não, esse é do meu filho.
Todos os cinco dentro do carro. A profe mexe no banco do motorista e deixa ao seu gosto.
- Nossa, o banco está indo para trás! - disse ele enquanto ajustava o seu banco do carona.
Conversa vai e conversa vem:
- Gente, espera. Acho que entramos no carro errado. - disse a profe - É! Entramos no carro errado.
- Ah cara, você não tá falando sério.
- Tô falando sério... gente, sai de fininho.
Entre risos e gargalhadas, deixam o carro errado e vão ao certo dessa vez.
- Só percebi porque é daquelas chaves com segredo, tentei dar a partida e travou.

Já pensou se o carro tivesse funcionado?!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Me and my heart

I want to teach my heart how to live without you. It must be aware of this, I can’t have you most of the time. It must get used to not seeing you so often, because as the year ends the space between us increases.
I’ve put my poor heart into a hard work; I avoided seeing you every day and tried not to feel so sad when I couldn’t have you for a long time in my day. It knows that you don’t belong to me (even if it wants to). It learned that you are free and that your life travels to a different road.
But my heart sometimes is so stubborn and it doesn’t want to accept your absence. Once in a while it cries for missing you. What can I do? Change my heart for a grown up one? A heart that already knows this “life stuff"?
Why didn't I tell you all my heart wants me to do? “Don't you tell me off, my little heart, one day I will, I promise”. But it doesn't believe me. But what my heart can do? Change me for a grown up one?...

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Under my skin

I can still smell you, even though you got you skin back. I wore it as if it were mine. I felt as you were by my side while I was under your skin, and the distance between us didn't seem so far enough. But easy comes and easy goes and I needed to give it back to you, after all it was your skin. How would you walk around with no skin? I understood it and that's why I gave it back. 
On the other hand, I couldn't spend so much time under your skin, it would be dangerous because you'd probably become part of me, more than you are now. I gave it back, but your scent still lingers on me, even if I tried it wouldn't left my body. I was under your skin, I felt you so close to me and I still feel as if I were under it. Even if I never wore you skin, I would feel the same because I already got you under my skin without you noticing it and without your permission. 

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Essa tal medicina.

Finalmente ele vai ao médico. Chegou cedo e pegou a senha de número 03, como se já não bastasse estar doente e pagar plano de saúde, você ainda precisa agonizar esperar numa fila.
"Que ironia! Tem um smiley sorridente na minha senha. Qual o motivo eu tenho para sorrir?".
Ele se senta e começa a observar as pessoas na sala de espera. É incrível como elas fazem mais cara de doente quando estão esperando pelo atendimento. Para piorar toda aquela cena, e ainda nem eram 8AM, na TV o resumão do futebol do fim de semana. Logo ele nota que tem um rapaz de jaleco branco super compenetrado. "Um médico, e espero que não seja ele que me atenda". O médico nem piscava. Gorducho em seus trajes.
"Será que eles são pontuais?" Relógio agora marca 8AM e começam a chamar as pessoas. Chega a sua vez, a moça pega todos os dados e escreve o seu sobrenome ERRADO duas vezes (isso que ela está copiando da ID). Será atendido agora? Não! "Agora é só aguardar novamente".
Tic tac tic tac. Ele levanta para tirar uma dúvida com a atendente, e ao voltar, seu lugar está ocupado por um outrogorducho ouvindo música em seus fones de ouvido. "Meeeeeeeeu, ele viu que eu estava ali e mal esperou que eu me levantasse! Imbecil". 
- ********! - chama o médico.
Ele se levanta e dá de cara com aquele cidadão que estava compenetrado no jogo. "Maldição, tanto médico e vem logo esse." 
Blá blá blá e o tal médico diz o que ele sempre ouve "É só uma gripezinha". A consulta durou menos de cinco minutos, remédios receitados e ele volta pra casa. Sem febre, sem tosse e sem dores. Mas começou a tomar os remédios indicados. Resultado: ficou de cama por mais de uma semana com febre alta. Só sarou quando parou de tomar os medicamentos.
Vai entender...

sábado, 1 de outubro de 2011

Thirthy-nine degrees to Fourty soon

I never said that I stopped believing in God, I just stopped thinking what people were telling me to think. So I think it's fair enough for me to ask Him for help and cease my little pain. And being very honest to myself, I'm afraid. Afraid to be asleep and don't wake up anymore, afraid of having something that any physician in the world couldn't heal, maybe I'm overreacting, maybe I'm just tired of this. I'm burning inside, literally. I can't stand it any longer and I felt like I wanted to pray again, but how? To whom? I was trained to look at the sky and pray, pray and pray. I looked at the sky (or the ceiling) but I felt nothing, I could just say "enough! Help me anyway and take this tough fever away". 
I slept, finally. But I got my alarm clock settled because I wanted to be sure I was alive. I don't know how I'm feeling right now, I don't know about tomorrow. Now I feel so weightless, maybe it's because I just feel as I'm numb. I'll try to get back to sleep, I'll try not to feel afraid anymore. And please, cease my burning.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Phony angels

I can hear voices calling me
I can hear voices calling me
It knows my name, it knows my thoughts
It’s like a signal 

It’s getting closer
It's creeping to me slowly
It hears me everywhere I go
I can’t stand it any longer
I need to find a way out

Now it's cold here
Please, can you hear me?

Now I can't hear voices calling me
And I don’t know where I am
I'm flying, there’s no walls
I'm flying, there’s no ways
I'm dying...

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Naquele dia

Naquele dia ele decidiu que descontaria toda a raiva que sentia do mundo nele mesmo. Consumiu todas as toxinas legais que conseguiu, engoliu sem mastigar.
Sentiu o seu corpo pesado por alguns instantes. Muito tempo depois uma leveza incomum tomou parte dele. As pessoas ao redor eram névoa, seus pés pareciam não estar tocando o chão. Ele flutua pelos dias.
Ainda procura por respostas, ainda procura penetrar aquela bolha que separa o seu mundo dos demais. Bolha de onde decidiu sair por contra própria; observar pelo lado de fora pareceu interessante, no entanto, ele acabou ficando "de fora". Ele precisa voltar e se encontrar. 
Cercado de pessoas, ele ainda se sente sozinho, sem motivos e sem explicação. Sentimento de solidão injusto, pois as pessoas estão ali. Então por que esta maldita solidão?! Por que ele olha ao redor e não se acha merecedor de estar e de ser? 
"Eu pertenço a este mundo, então por que diabos o mundo não me permite pertencer?" esta é a sua raiva,o motivo de sua intoxicação com as coisas mais cotidianas do planeta.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Apague, agora!

Sem qualquer explicação, ele resolveu assassiná-la. Sua musa? Alter ego? Sua fuga de uma realidade nada agradável? Morta! Agora não há mais desculpas para os seus atos, tudo o que ele fizer não será mais para justificar sua existência.
Ficção e realidade, ela transitava por estes mundos tranquilamente e, vez ou outra, nem ele sabia quando ela estava num ou noutro. Todavia, cansado, ele resolveu tudo de forma simples e rápida: ela não vai mais existir, não escreverei e nem sequer pensarei nela. Sua existência foi longa em sua mente e curta nas palavras. Chega de sentir-se dois, chega de tentar fugir para o mundo dela, chega de tentar viver no mundo dele. O que sobra depois disso tudo? Ainda não é possível afirmar. 
Seria tão fácil se ele também pudesse deixar de existir simplesmente com alguém parando de escrever ou pensar nele e que tudo não passasse de histórias criadas na ponta de um lápis e  uma borracha poderia fazer toda a diferença. 
Apague, agora!

sábado, 10 de setembro de 2011

O Perfume

Borrifou o perfume contra a pele. Sentiu aquela velha fragrância que o fez voltar àqueles velhos tempos. Dias que ele gostaria de retomar e reviver. Não digo que eram melhores do que os que vive hoje, mas naquele tempo ele experimentou tantas novidades em sua vida que foi um marco em sua história.
Foi o seu primeiro perfume, e foi quando experimentou a vida sem os pais por perto. Também foi quando conheceu alguém  (o primeiro?) que pensou que o amava e foi bom enquanto durou.
Um perfume tão forte que é capaz de fazer com que ele volte no tempo. Assim que sente a fragrância conhecida, parece que o dia toma uma nova cor, as pessoas parecem ficar mais alegres e ele parece estar mais alto. Essa sensação de altitude é porque ele tem a impressão de que todos o notam, agora todos olham para ele. 
Um simples perfume, aquela velha fragrância, os dias já passados e a certeza de que essa sensação nostálgica faz tão bem para ele que nem sequer é capaz de descrever como.
Nostalgia inebriante.



segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Não há como voltar

Continuo achando que eu confundi uma paixão com uma carreira. Estou quase certo de que eu apenas adorava tudo isso apenas por hobby. Na correria, na pressão que a vida exerce e que as pessoas ao nosso redor fazem, acabei optando por tornar meu hobby em carreira. 
Agora no meio do caminho (ou seria o começo?), eu me dei conta de que já não estou tão certo se quero isso para mim. Sinto-me como um peixe fora d'água quando paro e observo as outras pessoas seguindo este mesmo caminho que o meu, e elas parecem tão mais encaixadas nesse mundo que eu achava ser meu, elas parecem mais preparadas e mais dedicadas do que eu. 
E para ajudar, eu não sei mais qual rumo tomar, eu não sei mais se adianta voltar e tentar seguir em outra direção, já não sei mais se adianta correr ou andar. Estou assim seguindo "em frente seja lá qual direção" e ver no que vai dar. Como se anestesiado e sem noção de onde piso, apenas seguindo os rastros, é assim que eu estou. Deixando a vida me levar, mas sem curtir qualquer pedacinho desse momento. Não deixo ela me levar porque é legal, eu deixo a vida me levar porque estou sem opção.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Eu não sei...

No momento, essa é a música que resume minhas aflições e pensamentos. 


"Eu não sei por que estou aqui, eu não sei pra onde ir..."

terça-feira, 16 de agosto de 2011

#HappyBirthdayMadonna

"Come join the party, it's a celebration
Coz' everybody just won't do
Let's get this started, yeah
Coz' everybody wants to party with you"

image source: madonnaonline.mtv.uol.com.br


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

I'm a fool


And it hurts my soul cause I can't let go
All these walls are caving in
I can't stop my suffering
I hate to show that I lost control
Cause I, I keep going right back
To the one thing that I need
To walk away from
I need to get away from you, need to walk away from you

(excerpt from 'Walk away' - Christina Aguilera)



terça-feira, 9 de agosto de 2011

Versões

E me dei conta de que em cada ambiente por que passo sou uma pessoa diferente. Sabemos que precisamos ser uma pessoa no trabalho, uma em casa, uma com parentes distantes, uma com amigos íntimos, uma com os colegas de sala, etc e tal.
Conversa vai, conversa vem e acabei ficando com a pulga atrás da orelha: quem realmente me conhece de verdade? Qual desses grupos tem a verdadeira versão de mim? Quem sou eu de verdade? E quase entrei numa crise de identidade.
Ao final de tanto pensar, eu descobri que todos esses grupos têm o verdadeiro eu, uns com mais e outros com menos detalhes, pois se eu puser todos juntos eles vão descrever a mesma pessoa. Então percebi que na realidade eu apenas me adapto a cada ambiente. Meu chefe não precisa saber o que faço na balada e os amigos da balada não precisam saber o que faço na minha casa e assim por diante. Todavia, ressalto que sempre tem aquela pessoa que conhece todas essas versões, e a essa pessoa eu dou o título de verdadeiro amigo, a família que a gente escolhe. A opinião desse verdadeiro amigo importa, e ele é quem me ajuda a dar rumo em minhas decisões, porque afinal ele conhece mais a fundo todas as versões de mim. 
Não me preocupo com a minha fama (a versão mais evidente de mim), ela repele o lixo e atrai os amigos em potencial. Dessa forma, eu só tenho conhecido pessoas extremamente importantes, interessantes e amáveis.

Qual é a versão de mim que você tem? 


Não tenho muito a dizer, apenas (me) aproveite!

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Não sei se lembro...

... e quando dei por mim, já era segunda-feira. Domingo, cadê?

image source: http://radioativox.blogspot.com

sábado, 30 de julho de 2011

Mudando o rumo

Quando tudo parecia organizado, estabelecido e ajeitado e agora o momento seria apenas de manutenção, ele teve que mudar o caminho. O percurso foi desviado? Não, ele apenas pegou a estrada que estava ali ao lado, correndo paralelamente e o convidando para trilhar por ela.
Medo? Um pouco. De quê? Ele não sabe. Talvez não tenha nada a temer e essa decisão de agora apenas se mostre algo que ele deveria ter feito há mais tempo.
Para o bem ou para o mal, agora ele sente-se mais livre. E que venha o futuro, ele abraça!


image source:
 http://solano.irving.pueblocityschools.us/modules/blog/multi.phtml?profile_id=9007&gid=&future=&page=3&sessionid=750030278b1247eecba2815988332658

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Os cariocas em Curitiba

Seu filho volta da casa da vizinha, dizendo:
- Mãe, comi um negócio muito bom na casa da fulana. Chamam de pinhão. Faz para mim, quero comer. 
Morando há pouco tempo na cidade, lá se foi D. Carioca comprar o tal do pinhão. Levou o filho junto ao mercado para saber identificar o produto.
E por que D. Carioca não perguntou a alguém o que era o tal do pinhão? Simples, a primeira vez que ela puxou assunto com um estranho de Curitiba, aconteceu o seguinte:
- Bom dia! - disse a D. Carioca ao senhor no elevador.
- Estou te devendo alguma coisa?! - respondeu rispidamente o senhor no elevador.
Com medo de alguma resposta atravessada, ela foi ao encontro do pinhão sem saber o que era. Localizaram a especiaria e voltaram para casa preparar o novo prato.
D. Carioca sentou-se com uma bacia entre as pernas e dá-lhe descascar quase 1kg de pinhão cru,  seus dedos ficaram pretos. Depois ela joga tudo na panela de pressão. No tempo certo, chama o filho para comer e sua surpresa ao que ele responde:
- Joga isso fora!!! Não foi isso o que eu comi.
Dentro da panela era uma gororoba só. D. Carioca não sabia que o pinhão se cozinhava com casca. Foi descobrir bem depois após muitas gargalhadas da vizinha que explicou como se fazia de verdade. 
D. Carioca nunca mais quis saber do tal pinhão.

domingo, 24 de julho de 2011

Como desejado

Tudo aconteceu como imaginou. Parecia que tudo o que o seu cérebro havia arquitetado estava acontecendo. Queria que aquele momento fosse perfeito. E foi! 
Sua mão na perna dele e, timidamente, as mãos dele pararam perto das suas. Uma conversa aleatória sobre os seus anéis. Logo o silêncio, um silêncio que gritava e só pedia uma coisa. Os olhos finalmente se encontraram mais perto do que deveriam e só restou o próximo passo: o tão esperado beijo. Nesse instante um novo silêncio, só era possível ouvir o tictac do relógio indicando que o tempo não para, justamente quando ele mais desejou que o tempo congelasse e pudessem ficar ali por muito mais tempo. 
- Vamos dançar?
- Vamos.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Boa ação do dia

Eu estava vindo para casa após ter dado uma aula. Uma senhora me para na rua e diz:
- Moço, você pode me pagar um almoço no restaurante aqui ao lado?
Sem pensar duas vezes, eu disse:
- Sim, onde é?
Ela me mostrou o lugar. Era ao lado mesmo. Entramos e o atendente olhou desconfiado, logo percebeu que a senhora estava comigo e mudou o clima.
Descobri que ela paga pensionato e não servem almoço. Também não sobra dinheiro para ela almoçar todos os dias. Não sei o quanto de toda a história dela é verdadeira, não sei ao menos se ela comeu o almoço que eu paguei (ela pediu para levar). O que importa foi que eu me senti bem fazendo aquilo, deixou a minha semana que prometia ser densa um pouco mais leve. 
Ela se despediu, agradeceu enormemente e foi embora.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Derrubado

Não foi trabalhar. Acordou e decidiu assim. Dormiu mais do que o limite da razão permite. Não quer falar, não quer ouvir, não quer sair do quarto. Assim mesmo, caído. Assim mesmo, derrubado. Dramático? Assim seja...
Image from: idefeitosa.blogspot.com

domingo, 10 de julho de 2011

Sad Sunday

E lá estava ela, sentada em uma poltrona, miúda como um rato. Ele jamais imaginou que pudesse vê-la neste estado.
- Bença, Vó. Tudo bem?
Ela observou o neto por um momento e ele pôde notar em seus olhos que a sua vó não fazia ideia de quem estava parado na frente dela. A cabeça e a boca fazendo movimentos involuntários e constantes. Ela já não faz mais nada sozinha: banho, comida, trocas de roupa... tudo precisa de ajuda.
Parece que foi ontem que sua vó chegava em sua casa sem avisar, passava horas falando de todas as igrejas que havia visitado, fazia sempre as mesmas perguntas e quase sempre nunca entendia as respostas. Por vezes, malcriada, mandava você lá para aquele lugar e quando estava bem animada, jogava dinheiro para o alto e quem pegasse era o dono. Alegria dos netos!
E agora ela definha lentamente... ele ficou parado observando-a por um breve momento, não aguentou e seu rosto se encheu de lágrimas, por isso precisou ficar um tempo do lado de fora, chorando em silêncio num canto onde ninguém o notasse.
Ele não queria fazer esta visita, não queria perder a imagem de sua avó quando ativa. Agora cravou-se em sua memória a imagem dela tentando dar um aceno de adeus, deitada naquela cama, sem saber sequer para quem estava acenando. Contudo, foi um adeus sincero, um adeus honesto. Ele não sabe quando volta, mas o peso da impotência machuca muito fundo, uma vez que nada pode ser feito a não ser continuar como está, a doença é irreversível e já está em seu estágio avançado.
Pode parecer egoísta, pode parecer desumano, mas ele pede a algum deus que possa ouvi-lo, que encerre este sofrimento. 
E ainda vem a sua mente aquele aceno... ele entrou no carro e só fez chorar até boa parte do caminho de volta. Seu coração triste e pesado.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Música chata!

source: watchmencomicmovie.com
Sabe aquela música que você odeia? Mas odeia mesmo? E para ajudar ela torna-se viral? Pois ele tem uma, na verdade uma das tantas em sua lista. Só que nenhuma outra consegue irritá-lo tanto quanto esta e depois ela gruda na cabeça e não sai mais.
Ele estava trabalhando bem quieto e, de repente, na mesa ao lado duas professoras começam a rever seus vídeos motivacionais. Logo ele reconheceu aquela letra sarna do coração que cabe na penteadeira, ou cabe debaixo da mesa, whatever fuck, ele não se importa se a letra está certa.
Agora a música grudou em sua mente no trecho mais pentelho... esse mesmo, o trecho da penteadeira. 
Como vingança, todos vocês serão obrigados a ouvir também. Só dar o PLAY!

terça-feira, 5 de julho de 2011

Me and my imagination

We're gonna play a game, just you and me
You never should be won so easily
Your eyes are on the prize, I'm worth the wait
Don't need to know the end 'cause darling
Magic stays when myth remains
I'm under your spell, don't release me!

I don't need to know your every trick
Sophie Ellis-Bextor
"Me and my imagination"
So keep me guessing just a little bit
Because hidden in your eyes there's mystery
I want to get inside to where the
Magic stays and myth remains
I'm under your spell don't release me

Never give the game away
Try to keep me entertained
Don't make it too easy
Leave something
For me and my imagination
We're a possibility
You make it hard for me
I'm not in a hurry, leave something
For me and my imagination

Quer curtir também? Vem gente >> Me and my Imagination!


Image source: julimissperfect.blogspot.com

domingo, 3 de julho de 2011

Balanço do Semestre

Comecei o ano muito bem. Finalmente conheci meus três anjos...
... o terceiro e nada modesto!
Fui ao show da Shakira!
Minha família passou do virtual ao real.
Conheci a minha nova Teacher (a gift).
Fiz novos amigos.
Me diverti muito com eles.
e caímos na noite.
We had lots of conversation!
Tudo isso sem esquecer das velhas amizades.
...que me causam tanta admiração!
...que me fizeram rir muito
e me acompanham em minhas maluquices.
Também continuei reforçando minha década de amizade...
...e mesmo sem o contato diário, permanece intocável!
Nosso trio tem muita história!
Mas e a família?! Vai muito bem, obrigado!
Assim me despeço.
Desejo que o próximo semestre seja tão frutífero quanto este.

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Boa!!!

Do site: www.record.xl.pt

"A cantora, de 34 anos, namorada do jogador do Barcelona Gerard Piqué, colocou um ponto final nos rumores que a davam à espera de bebé. Durante um concerto na Alemanha, Shakira levantou a blusa e gritou: “Não estou grávida.” Foi depois do cancelamento de um espetáculo em Almería no início do mês que começaram a surgir notícias de que a colombiana e Piqué estariam à espera da visita da cegonha. Afinal, a verdade é que o concerto foi cancelado apenas por falta de segurança e não por Shakira estar com enjoos."

source: http://www.record.xl.pt/jogo_vida/interior.aspx?content_id=704468

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Extremamente mal-humorado

Não sei, acordei assim. Se eu fosse mulher, poderia culpar a TPM, mas eu não sou, o que eu posso fazer para tentar justificar minha irritação? Alguns vão dizer que é porque eu não dormi direito. Eu digo: MENTIRA! Nunca durmo direito e estive lindamente humorado até a meia-noite de ontem. 
Para ajudar, chego ao meu trabalho e sou informado de que tenho que passar a limpo toda a minha folha ponto porque tinha uma rasura. Vontade foi de pegar essa folha e picotá-la. Queria ouvir uma música, mas burramente deixei o meu player ligado a noite toda (jurei que eu havia desligado), agora está sem bateria e eu sem minha música.
É certo que estou um pouco cansado, fato! Muito mais mental do que fisicamente. 
Não entendo, fui criado para viver solitário e só procurar companhia quando sentir vontade (tipo os felinos domesticados). No entanto, toda hora tem gente no meu santuário quarto: estou lá quieto, ouvindo uma música e entra meu pai e fica olhando para a minha cara. Sai e depois entra a minha mãe, logo em seguida o meu irmão vem dormir. Meu espaço, cadê? Lógico que adoro a minha família e meus pais estão sempre fazendo o impossível por mim, diria até que fazem tudo o que eu peço e até o que eu penso em pedir. Só que inexplicavelmente, eu preciso ser sozinho. Meu relógio e minhas vontades funcionam em outro fuso, quero ouvir música de madrugada, quero comer de madrugada (ligando fogão e tudo), sinto vontade de tomar banho depois das onze da noite, quero sair cantarolando pela casa altas horas. Não posso, qualquer movimento diferente e eu acordo a todos que precisam daquele sono para trabalhar bem no dia seguinte. 
Sem parecer reclamação, mas sinto-me castrado e amarrado ao pé da cama. Quero fazer tanto e não posso. Por que eu fui nascer esse egoísta solitário? Eu não sei viver em comunidade.
Não, eu ainda não sei o motivo do meu mal-humor. Isto tudo foi um simples desabafo.

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Improve your English

Estava procurando na Internet o significado de "i.e.", pois eu sempre esqueço. E achei um site com uma explicação muito interessante. E, realmente, eu não sabia quando usar "i.e." ou "e.g.". Se você também não, check this out!

The Latin abbreviations "i.e." and "e.g." come up very frequently in writing and would probably come up more often if people were more sure of when it is right to use "i.e." and when "e.g." is required. To me, the only way to figure it out is to know what they stand for.

i.e.

"I.e." stands simply for "that is," which written out fully in Latin is 'id est'. "I.e." is used in place of "in other words," or "it/that is." It specifies or makes more clear.

e.g.

"E.g." means "for example" and comes from the Latin expression exempli gratia, "for the sake of an example," with the noun exemplum in the genitive (possessive case) to go with gratia in the ablative (prepositional case). "E.g." is used in expressions similar to "including," when you are not intending to list everything that is being discussed.

Italics

I.e. and e.g. are such common Latin abbreviations that they do not require italicization.

Capitalization

If the form "I.e." looks odd, it's because both "i.e." and "e.g" are usually mid-sentence, surrounded by commas, so they are unlikely to be seen with sentence initial capitals.
Someone quoted this article to insist that i.e. should not be capitalized. The writer began his sentence with "i.e." Evidently I wasn't clear enough that rules about sentence capitalization (or other things) may take precedence over the fact that i.e. isn't generally capitalized. I was only trying to explain why "I.e" might look funny to readers.

Source: http://ancienthistory.about.com/od/abbreviations/f/ievseg.htm 

sábado, 25 de junho de 2011

sexta-feira, 24 de junho de 2011

O passeio

Andando lado a lado, ficando cada vez mais próximos até que suas mãos se tocaram. Continuaram andando até chegar a um local mais afastado daquele parque, algumas pessoas corriam ou caminhavam. Um casal estava sentado nas escadas, mas logo levantou-se e saiu. Eles ficaram ali, olhando os pássaros, um belo pretexto para esperar até que não tivesse mais ninguém por perto. E esperaram...
Ninguém vinha de um lado, ninguém vinha do outro. A mesma ideia pareceu ocorrer em suas mentes, sem mesmo precisar que falassem, sentiram. E então se olharam, e silenciosamente e sem demora se beijaram.
"Vamos passear mais vezes. Sim?"
"Sim!"
Despediram-se e cada um seguiu para a sua vida.


quarta-feira, 22 de junho de 2011

F***

E a febre resolveu que vai ficar comigo para sempre. 


Yeah "you give me fever"

domingo, 19 de junho de 2011

Resumo da semana

Semana completamente atípica. Acordou com febre. "Gripe!" todos gritaram em seu ouvido, mas ele tinha certeza de que não era isso, ele ainda conhece o seu corpo e o que acontece quando a maldita gripe ataca. "Não é!", rebateu.
Foi ao médico, e safadamente, a febre passou. Nem ela (a médica) soube explicar o que era. Não havia sintomas, apenas o relato dele para ela. Agora ele está melhor. ainda bem!
Neste fim de semana se comportou, nada de noitadas dançantes, foi para uma festa em Família. Antes disso, esteve em sua primeira reunião para ser monitor em um grande evento que ocorrerá em sua cidade, que trará pessoas do mundo todo. "Networking, networking".
Bons ventos sopram em sua direção, e eu continuo torcendo para que tudo continue dando certo para ele. 

sábado, 11 de junho de 2011

Escreva Lola Escreva: POLITICAMENTE INCORRETO NÃO É TRANSGRESSOR

Passeando pelos blogs da vida, deparo-me com esta postagem magnífica, peço licença, mas preciso [re]postá-la.

"Uma leitora na sexta me mandou por email a reportagem daRolling Stones que retrata um tal de Rafinha Bastos que, no seu show de stand-up comedy, faz piadas sobre estupro e afirma que 'homem que estupra mulher feia não merece cadeia, merece um abraço'."

LEIA MAIS CLICANDO AQUI

terça-feira, 7 de junho de 2011

On the Road: The 3 most complex verbs in the English language

''Set' is yesterday, 'run' is tomorrow.' Think quick. How many definitions can you think of for run, set, and put?..."

Do you want to learn more? Click here and enjoy!

terça-feira, 31 de maio de 2011

Sing your love!

Nossa! Quanto tempo sem passar por aqui e postar algo decente. Não é minha culpa, mas a vida dele anda tão corrida que mal consegue prestar atenção aos detalhes para me contar os "causos", e, assim, eu poder fazer uma postagem decente.
Percebi que ultimamente ele anda bastante militante na questão contra a intolerância e em favor ao respeito mútuo. Por conta disso, segue a letra de uma canção que [para ele] diz tudo. Não é um hino ao amor GLS, mas é um hino ao AMOR GERAL. Fica a pergunta:  "Por que é tão difícil amarmos uns aos outros?"


image from: lanemacgregors.blogspot.com
Por que é tão difícil amarmos uns aos outros
Por que é tão difícil amar?

O que eu preciso fazer para ser aceito?
O que eu tenho que dizer?
O que preciso fazer para ser respeitado?
Como devo agir?
Como o que devo me parecer para me sentir igual?
Para onde devo ir?
Em que clube devo entrar para me sentir valorizado?
Quem eu tenho que conhecer?
 
Estou dizendo, irmãos e irmãs
Por que não podemos aprender a desafiar o sistema
Sem viver com dor?
Irmãos, irmãs
Por que não aprendemos a aceitar que somos diferentes
Antes que seja tarde demais?
 
Por que é tão difícil?!
 
O que preciso aprender para saber o que é certo para mim?
O que tenho que saber?
O que eu vou fazer quando me sentir corretinho?
Para onde devo ir?
Quem deve dizer no que eu acredito?
Quem teria este direito?
O que farei com toda essa raiva?
Por que eu tenho que brigar?

 Traga seu amor, cante seu amor
Use seu amor, divida seu amor
Ame sua irmã, ame seu irmão

Por que é tão difícil amarmos uns aos outros
Por que é tão dificil amar?

Cante seu amor
Divida seu amor
Mostre a todos como!
 (Madonna - Why's it so hard)

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Porque rir é o melhor remédio

Mãe é Mãe; Sogra é Sogra
Duas distintas senhoras encontram-se após um bom tempo sem se verem.
Uma pergunta à outra:
- Como vão seus dois filhos... a Rosa e o Francisco?
- Ah! querida... a Rosa casou-se muito bem. Tem um marido maravilhoso. É ele que levanta de madrugada para trocar as fraldas do meu netinho, faz o café da manhã, lava as louças e ajuda na faxina. Só depois é que sai para trabalhar. Um amor de genro! Benza-o, ó Deus!
- Que bom, heim amiga! E o seu filho, o Francisco? Casou também?
- Casou sim, querida. Mas tadinho dele, deu azar demais. Casou-se muito mal... Imagina que ele tem que levantar de madrugada para trocar as fraldas do meu netinho, fazer o café da manhã, lavar a louça e ainda tem que ajudar na faxina! E depois de tudo isso ainda sai para trabalhar, para sustentar a preguiçosa da minha nora - aquela porca nojenta!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Coisas que me irritam

Quando mando um e-mail e não recebo resposta.
Quando faço uma postagem neste espaço e ninguém comenta.
Quando espero umas palavras e só recebo um "curtir" no facebook.
Quando vejo alguém jogando papel no chão e a lata de lixo está a dois passos de distância do leitão.
Quando percebo injustiças.
Quando colocam palavras em minha boca.
Quando querem decidir as coisas por mim.
Quando acham que eu acho que vou achar que eu acharia algo.
Quando tentam me adivinhar.
Quando tentam me rotular.
Quando tentam descobrir a minha personalidade baseando-se em horóscopos ou coisa parecida.
Quando ficam criticando as roupas que eu uso.
Quando mexem em minhas coisas.
Quando mexem em minhas coisas e não devolvem.
Quando me chamam de estúpido.
Quando querem fazer o intelectual para cima de mim.
Quando querem fazer o cult e moderninho para cima de mim.
Quando são fãs xiitas.
Quando invadem o meu espaço (físico e mental).

terça-feira, 17 de maio de 2011

Think about it


A reflexão não vale apenas para o contexto americano, aqui em nossa terra tupiniquim também temos este tipo de comportamento constantemente. É só voltar um pouquinho no tempo e tentar colocar a situação em outro cenário. Como reagiríamos?

domingo, 15 de maio de 2011

Ensina Brasil

Uma amiga me indicou o site do Ensina Brasil e eu assisti ao vídeo que fala do projeto nos EUA. É de uma matéria que passou no Jornal Hoje. Tive que tirar um print da tela quando apareceu como se pronunciar as palavras em português. Desculpaê, mas eu tenho paixão por línguas.




Thank you Gaby, you're making me start to believe!

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Perfeito e Criativo

Que surpresa boa ao entrar na página inicial do Google e me deparar com o excelente trabalho que fizeram para homenagear a coreógrafa Martha Graham.

Se você teve a chance de conferir o logotipo animado, vai entender porque eu gostei tanto.

corre lá: www.google.com.br

Ou então confira a imagem aqui, na nota da Folha.com

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/914143-coreografa-martha-graham-ganha-homenagem-do-google.shtml

terça-feira, 10 de maio de 2011

Privaatheid

I just need some privacy. Am I asking too much?
I'm in my bedroom, then my mom comes in. I'm sleeping, then my father comes in. I'm using the computer, then my brother comes in... with friends. I'm listening to music, then my brother's friends are in the house.

Lucky days when I used to live by myself; of course that sometimes I felt so lonely, but I had the right to feel that. Nowadays I can't even 'listen' to my thoughts because everytime I think I'm on my own, somebody break into my room.

"Sou um animal noturno e solitário, obrigado pelas circunstâncias a transitar durante o dia"