Pesquisar este blog

sábado, 25 de outubro de 2014

Desabafo: agora sei o motivo de eu não gostar de futebol

Não gosto mesmo, mas ao contrário do que pensam, não fico atacando aqueles que gostam. Vamos lá. Futebol e religião, as duas coisas que nos são impostas no momento em que chegamos ao mundo (se você nasceu menino). E tudo o que me é imposto, eu não faço.


Eu me recordo que desde pequeno fui forçado a escolher um time, pois SEMPRE perguntavam "torce pra qual time?", e com medo de ser o outsider resolvi escolher um. Aí começava a disputa: o pai quer que você torça para o time dele, e por conseguinte o avô também quer, o tio também quer, o primo também quer, e aí ficamos no meio do fogo cruzado. E eu, sempre motivado à provocação, resolvi escolher um time diferente de todos eles: BOOOM! CHOCANDO A SOCIEDADE com a minha escolha! Até que um belo dia, durante a minha adolescência, resolvi acabar com essa folia e me rebelar: "torce para qual time?" e eu respondia "NENHUM, ODEIO FUTEBOL", assim mesmo, em alto e bom som. Pessoas chocadas, como se eu estivesse dizendo que, sei lá, eu mato criancinhas para colocar na sopa. 

Vejo a história se repetindo, meu sobrinho (4 anos) já torce e sabe cantar o hino do time tal, e mal sabe escrever o próprio nome. Tem o uniforme completinho do time, já foi ao estádio assistir a uma partida, e nem sabe se trocar sozinho. Até aí tudo bem, ele pode crescer e continuar amando, pode crescer e se rebelar (feito eu), ou pode crescer e continuar fazendo as coisas para agradar papai e mamãe, aí eu acho perigoso. Personalidade, deixem-nos desenvolver a nossa, obrigado. 

A minha questão maior não é nem torcer ou não, mas a imposição que sofremos desde o útero: a repetir, meninos devem gostar de futebol e meninas de balé. Na escolinha (se você for riquinho) tem que praticar judô ou karatê (menininhos) ou fazer dança ou ginástica olímpica (menininhas). E eu me pergunto: até quando?! Seus filhos não são vocês, pais, em miniatura, eles têm e sempre terão vontades próprias. Quando os adultos deixarão as crianças escolherem o que elas querem? Se eu fosse seguir à risca a vontade do meu pai, eu seria um oficial do exército. 

Bem, eu não gosto de futebol, talvez muito mais pela imposição masculina (em tempo, a experiência é minha, não estou dizendo que todos na face Terra sofram o mesmo), talvez seja trauma de continuamente fazer algo que eu não queria - acompanhar partidas de futebol, colecionar revistinha de figuras, saber nome de jogadores e quantos campeonatos o time venceu, etc. - para ser "aceito" (na escola, durante a Ed. Física, se eu escolhesse jogar vôlei, ou outro esporte, pronto, pelos corredores me chamavam de boiolinha pra baixo). 

Só sei que futebol e religião são duas coisas das quais eu fugi quando eu tive a chance, mas não por muito tempo, pois qualquer reunião familiar resulta nos "homens da casa" sentados em frente à TV, ignorando qualquer movimento ao seu redor e prestando atenção ao campeonato, mesmo que seja do time fundo de quintal, mas é futebol e são homens, onde já se viu, precisam do futebol (e de cerveja). Vish, eu também não gosto de cerveja: BOOOM! 

Como uma amiga minha disse certa vez: "Todos temos atitudes machistas e não percebemos, e os homens também sofrem com o machismo", eu sofri, sofro e sofrerei, e continuo não gostando de futebol.  


image source: http://reviewrun.blogspot.com.br/2012/11/os-efeitos-colaterais-da-copa-ja.html

sábado, 6 de setembro de 2014

Debaixo da pele e a preguiça


Quem sou eu para escrever sobre filmes e quem sou para fazer críticas. No entanto, não consegui me calar ao ver os inúmeros comentários negativos a respeito do filme Debaixo da pele (Under the skin), do diretor Jonathan Glazer e estrelado por Scarlett Johansson. Ao ver o filme, cheguei a conclusão: o público está muito preguiçoso. 

Cartaz do Filme
http://cinecartaz.publico.pt/Filme/debaixo-da-pele-332903
Não estou querendo dizer que sou culto, pelo contrário, acho que eu sou até ignorante demais, só que eu não pude deixar de observar que as pessoas andam muito viciadas em velocidade. As coisas precisam ser instantâneas, e neste ritmo frenético, nos esquecemos de algo que o filme atira em nossa cara: a sensibilidade. Se no filme, Laura (Johansson), um alienígena que se alimenta de carne humana, parece não ter sensibilidade (afinal ela não é humana), nós ao assistirmos ao filme - e ao criticá-lo de forma tão vazia - também demonstramos essa falta de sensibilidade. Uma pequena diferença é que a personagem acaba se deparando com uma súbita "humanidade" em si, algo que desperta curiosidade e passa a ser conflitante, enquanto nós, continuamos correndo-parados, sempre querendo o
instantâneo, o ligeiro, o que é mastigado e nos entregado de bandeja. O filme é lento? É! Só que ele nunca disse que seria uma aventura de tirar o fôlego, aliás, o trailer já entrega a proposta do filme. 
E a preguiça? Atrevo-me a dizer que o espectador anda preguiçoso sim, não quer pensar, está [mal] acostumado a ver filmes que entregam tudo bem explicadinho, e de forma super rápida, não há pausa para reflexão. E este filme nem levanta questões tão existenciais assim, a meu ver, parece mais simples do que se pode pensar. Contudo, não estou aqui para analisar o filme, estou apenas expressando a minha frustração ao ler comentários negativos e tão superficiais pela rede. As coisas vão sendo descobertas enquanto a própria Laura as descobre, parece que estamos "viajando" nestas descobertas junto com ela, sem precisar uma fala ou um narrador nos explicando tudo. Inferência e análise, é sempre bom praticar.  
Mais um ponto: aposto que boa parte dos marmanjos que pagaram/baixaram/assistiram online a este filme, certamente o fizeram após pipocar na internet notícias chamando atenção à nudez de Scarlett Johansson (mídia vazia). Deram com os burros n'água! Existe nudez? Sim. Contudo, são cenas simples e estéticas. Ainda por cima temos cenas de nudez masculina. Opa! Que coisa horrorosa. Eu, um homem macho estou esperando por Johansson nua e me deparo com um monte de nu frontal masculino. Faça-me o favor, vou embora, filme chato. Consigo imaginar suas caras! O mesmo aconteceu com quem foi aos cinemas para ver "Ninfomaníaca", esperavam um pornozão nas telonas e... saíram frustrados. 
Em resumo: estou cansado das pessoas serem tão preguiçosas, existe um cérebro, então usem! Não estou pedindo para que sejamos existencialistas, filósofos, etc e tal. Estou pedindo para sairmos da superfície, tentar mergulhar um pouco em outros níveis, e deixar de sermos tão rasos. O filme não é uma obra-prima, e também não é o lixo que andam dizendo por aí. Bem, é claro que numa sociedade em que os campões de bilheteria são estes filmes aí (não quero rotular ninguém), não é de me espantar que um Under the skin seja considerado um zero à esquerda pela massa.

sexta-feira, 18 de abril de 2014

E não tinha cerveja

A páscoa chegando e com ela, um punhado de ovinhos de chocolate presenteados pela empresa. O pequeno imediatamente pede por chocolate, logo chega aos ouvidos da mãe que os ovinhos poderiam conter "licor", e como uma criança de apenas quatro anos poderia ingerir?! Nunca. - Vamos tentar enganá-lo. Passou-se alguns minutos e todos acreditando que o pequeno havia esquecido. Ah, que engano. - Quero comer os ovinhos. E agora? E um por um, dos moradores daquela casa, foram tentar convencer o menino de que aquele chocolate não era muito apropriado para o seu consumo. Em vão. Olham a caixa atentamente, nada de informações sobre o recheio dos ovinhos. Então tiveram uma ideia: - Vamos provar, caso não tenha licor, damos a ele. - Mas quem vai provar? O pai dele, claro. - Não - recusou-se o pai - o dono dos ovinhos deve provar. Enquanto todos debatiam sobre a degustação, ouvem a voz do pequeno: - Ei! Pessoal! Não tem cerveja dentro, eu posso comer! - disse com um enorme sorriso estampado no rosto. Enquanto todos se distraíram, ele abriu com todo o tempo do mundo um ovinho para ele tirou a teima. Feliz Páscoa!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

1923

E se passaram vinte e quatro horas, levantei. Agora espero para iniciar o meu dia, tomo o meu café e logo me sento no sofá. Ligo a TV, nada interessante, mudo de canal, algo banal. Deixo ali, afinal, tenho o dia todo. Caio no sono, pois os dias estão monótonos. Acordo, é hora do almoço. A mesa já está posta, nem isso para tomar o meu tempo, só me resta sentar e comer. Termino e dou uma volta pela casa, preciso me exercitar um pouco, porém, não posso ir muito longe, minhas pernas não suportam, então vou até a varanda mesmo, sento-me e tomo um pouco de sol. Lá fora eu percebo como tudo mudou, a rua está mais movimentada, tudo está cercado com seus muros, grades e cercas eletréticas. Não faço a menor ideia de quanto tempo fiquei ali e resolvo entrar, volto para o sofá e a TV: nada interessante, mudo de canal, algo banal. Deixo ali, afinal, tenho o resto do dia. Pessoas chegam, nem as vi sair e tão logo se absorvem em suas tarefas que perpetuam do seus trabalhos até seus quartos, vivem para trabalhar e esquecem de viver. Sei que a noite chegou porque consigo espiar pela janela e enfim jantamos. Horas depois o sono chega e resolvo dormir. Logo mais vinte e quatro horas terão chegado ao fim e o que eu faço neste instante, é esperar pelo meu. Nada mais me resta, já vivi o bastante, quase um século. Agora só me basta esperar que cada dia passe, porque sempre acordarei... e se passaram vinte e quatro horas.



quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Palavras que marcam. Balanço de aniversário.

Recebi muitas mensagens adoráveis e lindas neste ano, sei que posso cometer injustiças, mas preciso, devo, ressaltar três delas que me fizeram ter lágrimas nos olhos e ser grato de um modo geral, por todos os amigos que eu tenho. Não posso me esquecer de uma que foi excepcional, porém, foi mensagem de voz, não dá para transcrever aqui. Foi linda e de uma moça que entrou em minha vida para me ensinar muito mais, sempre alto astral e muito parceira, Silvana.

Vamos começar, uma delas é de uma amiga que o acaso me apresentou, mas eu prefiro pensar que foi o destino que nos fez cruzar o mesmo caminho:

"Quero aproveitar pra dizer que você é realmente uma pessoa maravilhosa e que desde o primeiro dia que te vi já senti uma energia super boa!! Comento isso com todo mundo - vc sabe, hehe.

Adoro sua companhia porque sempre, no final das contas, damos risada de tudo... não só por isso, mas também porque aprecio o modo como você vive, a paixão pelo seu trabalho e principalmente a simplicidade que muitas vezes você define alguns problemas. 
Torço, de verdade, pelo seu sucesso e pela sua felicidade em tudo o que fizer!!" (Keize)


A próxima é uma mensagem simples, de uma pessoa extremamente especial, a minha ermã. Foi uma mensagem simples e objetiva, tal qual a autora, mas de uma profundidade tamanha, pelo humor e pela atenção:

"E hoje é o dia dele. Como ele sempre diz: 'foi o dia que eu escolhi pra nascer'. Pra nós, foi o dia que ele apareceu na caixinha do Ortopé. Parabéns, Enxaqueca. Muita saúde e sucesso sempre." (Tita)

E por fim, a maior de todas, de uma amiga que ganhei/encontrei/descobri durante os meus estudos na faculdade. No momento em que eu me perdia de mim mesmo, com suas palavras, ela fez com que eu me encontrasse novamente e olhar para mim mesmo e me valorizar mais uma vez:

"a primeira vez que te vi senti uma grande empatia por você. Vi você entrando na sala, te dei um sorriso e vc retribuiu com outro e senti uma energia maravilhosa. Desde o começo de nosso relacionamento eu sentia uma grande admiração por você. Achava (e ainda acho) sua voz maravilhosa, seu estilo super cool e sua visão de tudo espetacular. 
Você me ensinou a apreciar mais a vida e principalmente arte. (Acredite se quiser). Você fazia comentários tão honestos sobre coisas que eu normalmente seria tão cética a respeito, e hoje eu confesso que consigo apreciar filmes, músicas, livros, histórias com um TAKE mais leve e sincero. Você é uma das pessoas que me fez perceber o quão grande eu quero ser. Não quero mirar para mediocridade, quero mirar alto e superar minhas expectativas na vida. Outra coisa que você me ajudou a amar mais ainda é a língua inglesa. Você sabe minha história, e por incrível que pareça tive um período da minha vida que tive um bloqueio com esse idioma, e portanto perdi muita coisa boa por perder minha própria identidade. Um dia que sentamos no café da Cultura enquanto conversava com você percebia que - como você - eu me sentia deslocada. Deslocada em relação a tudo (cultura, costumes, expectativas, comportamento...). E naquela conversa me encontrei, lembrei de quem eu sou e tomei a primeira decisão mais importante da minha vida.
Você é uma pessoa importante pq você, com poucas outras pessoas, me define. Você é o homem mais respeitoso a mulheres que eu conheço. Nunca vi um cara ser tão maravilhoso e open-minded em relação ao feminino. 
Outra coisa, eu acho incrível como podemos ser tão compatíveis em nossa amizade e também em nosso profissionalismo. De tanta gente que quis fazer parte do ESP só nós dois sobrevivemos até o final. Esse foi um pontapé para minha carreira, e você foi o meu companheiro do começo ao fim. (Considerando que nós dois éramos os únicos que trabalhávamos no projeto).
E hoje - como um filme - o destino nos reaproximou profissionalmente. Vamos trabalhar num projeto maior ainda e grandes congressos nos esperam, certo? hahaha
Tenho muito orgulho em dizer que você é o Padrinho de meu casamento. Você conhece a mim e ao Cris tão bem... Não só individualmente, mas como um casal. De novo, você participou de nosso início junto de muitas pessoas, mas foi um dos únicos que ainda está ativo no "projeto" hahaha. Isso mostra que você tem um grande e admirável senso de comprometimento.
Você é maravilhoso. Espero que você leia isso e lembre que você é uma pessoa excepcional e insubstituível. 
Sei que você não está com vontade de comemorar hoje, mas eu comemoro seu aniversário todos os dias, por ter a grande sorte de ter um homem tão maravilhoso e completo como você do meu lado. Espero que seu dia seja ótimo, e no fds teremos um WHITE AMERICAN CAKE.
Te admiro, te adoro, te gosto, te amo. Happy B-day." (Renata)

Obrigado a todos que me mandaram suas palavras deliciosas, emocionadas e emocionantes para mim, no meu dia. cada vez mais sou grato por ter todos ao meu lado!