Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Halloween

Hoje Dia da Bruxas. E ele vai se livrar de uma Bruxa, mas se bem que seria uma ofensa às bruxas, pois aquilo lá nem bruxa é. Aquilo é um encosto. Mas seria maldade com os encostos também.
Ahhhh aquilo lá é uma nada! Um tropeço no meio do caminho. Mas que ele conseguiu se desvencilhar, graças aos céus.

Vamos comemorar, beber sangue do morto, dar um tiro no lobisomen e prender um morcego numa teia. Hora de sair com os fantasmas e ficar bêbado com a mula sem cabeça.

É a noite fantástica e cheia de mistérios... um portal para um recomeço

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

contagem regressiva

Dez! Nove! OitoSeteSeis! Cincoquatrotrêsdoisuuuuuuuuuuuuum! Bom dia amiguinhos já estou aqui... [/Xuxa]

Sim, em espírito de contagem regressiva. Em pouco tempo, em poucos dias ele e a irmã finalmente brincarão de casinha em paz. A casinha que eles acharam que teriam esse ano. Nem Gugu, nem portas da Esperança, nem Luciano Huck foram capazes de conseguir esse feito da casa só pra eles.
A parte legal é que irão mudar aos pouquinhos, pra não levantar as orelhas de lebre da mãe da MCDL. Elas nem sonham que eles vão partir e coitadas, ainda tem utensílios domésticos que elas juram que são delas, mas não! Tudo deles! Vão levar tudo e agora MCDL e sua mãe terão o teto só pra elas, o condomínio e a luz pra pagar. Seja feliz dona mãe da MCDL, qual vegetal você escolhe? Eu prefiro Chuchu, que não tem gosto de mer%$%& nenhuma e não acrescenta nada no prato que for colocado. Ou seja não fede nem cheira.

Liberdade! Vejo vocês na minha casa nova [digo, ap].

terça-feira, 28 de outubro de 2008

continuemos a comemorar!!!!!


Crédito da foto: postais.net

O que é um amigo?

O que classifica um amigo? Quais os critérios necessários para que se tenha uma amizade?
Para mim, amizade é a troca de sentimentos entre duas ou mais pessoas, é a companhia que um pode fazer ao outro e que quando distantes fazem falta. Um amigo pra mim, não precisa saber dos meus segredos mais profundos (mas quando sabe é o amigo mais íntimo), mas um amigo precisa me fazer sentir sua falta, precisa ser necessário em minha vida, precisa acrescentar algo.
Agora, por que não os amigos virtuais? Por que eles não podem ser considerados meus amigos? Tudo o que citei acima, meus amigos virtuais são capazes de causar em mim. Alguns até sabem meus segredos mais profundos, todos me fazem sentir sua falta, todos acrescentam algo em minha vida. Incrivelmente, mesmo os quilômetros que nos distanciam não são capazes de nos apagar da memória.
Com raras exceções dos amigos presentes em carne e osso, os amigos virtuais foram os únicos que estavam lá quando eu mais precisei. Foram os únicos que me ouviram, me responderam, se entristeceram por mim, choraram comigo, se preocuparam comigo e sorriram também.
Minha única fuga, quando eu olhei ao redor e não tinha para onde correr, foi só dar um clique, e eles estavam ali. Parecia que me esperando.
Por mais superficial que os outros possam achar da palavra “virtual”, quero dizer que ela não tem tanto valor pra mim, pois o que conta é somente o que vem antes dela: “amigo”. Vocês sabem exatamente quem são vocês, e sou eternamente grato pela companhia que me fazem, pelas conversas horas sem fim e pela falta que sinto de vocês quando fico longe da internet. Tenho a sensação que já nos conhecemos ao vivo e que no momento tivemos que nos separar, cada um em uma cidade e que nossa comunicação ficou restrita à internet.
As pessoas não dão valor ao “virtual” do contexto, mas eu dou muito mais atenção ao “amigo” do conjunto de palavras. Uso o virtual, apenas para deixar entendido que somos separados por determinada distância.
Tenho amigos reais que viraram virtuais, e o pior é que ainda moramos na mesma cidade.
Então, creio que uma amizade não possa ser medida apenas pela presença física, mas acho que uma amizade vai muito além desses conceitos pré-concebidos pela sociedade. Amigo é aquele que você considera seu amigo e ponto final!


crédito foto: postais.net

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

"Mil felicidades que a sua vida seja sempre doce e emoção..."

Para ler ouvindo: Happy Birthday

Ela me acorda quando estou sem despertador
Faz um DDD e não me deixa perder a hora
Ela ouve (lê) sem cansar toda minha novela italiana
Ela concorda com qualquer que seja o final
Está ali disposta a ouvir (ler) todas as minhas queixas
Pois essa novela é comprida
Ela me faz companhia de madrugada
Fala o melhor "bom dia" que alguém pode ouvir

Agora é seu aniversário
Desejos de felicidade e sucesso não são o bastante
Mas desejo do fundo do coração que a gente dure pra sempre
Que agora seja o comecinho de uma vida eterna de amizade
Parabéns Má!

Te dedico a linda canção que você me apresentou outro dia: http://br.youtube.com/watch?v=uHOm2qhf58g

"Qué lindo que es soñar! soñar no cuesta nada, soñar y nada más… con los ojos abiertos,
Qué lindo que es soñar! Y no te cuesta nada más que tiempo…"

[Mais um] Fim de Semana na Mata

Dessa vez, sem "ômi seu minino!". Eles foram para a Mata e se Deus quiser, será um dos últimos finais de semana passados na mata.
Pode ser que daqui algumas semanas, eles comecem a passar seus finais de semana num lugar mais asfaltado, à beira-mar (que os anjos nos ouçam e digam amém).
Na hora de ir embora da mata, foi algo tão estranho para ele. Sua mãe deu tchau e já entrou em casa, seu pai tentou disfarçar com um sorriso. Estariam eles querendo chorar?! Entendemos que agora eles enfrentam uma situação delicada, ambos estão com problemas que precisam ser resolvidos. Os pais preocupados com eles e eles preocupados com os pais.
Se a despedida fosse um pouqinho mais longa, talvez as lágrimas não pudessem ser contidas, talvez elas tivessem caído sem controle por seus rostos.
Mas tudo dará certo, dessa vez ele sente que tudo está se encaminhando e finalmente suas vidas começarão a andar, mas dessa vez, pra frente.
Amém!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

falta de noção... é viral?

A falta de noção impera em algumas pessoas. Pra começar, durante o almoço, na fila do famoso "Buffet", uma toupeirinha se fazendo, iria furar fila na boa. Claro, que ele não deixou! Então a touperinha e seu amigo terninho ficaram atrás dele e da amiga/colega (pois ele não conta seus segredos). Logo a pérola da touperinha:
- Nossa! Acho que só esse prato pesa 100g.
Ainda bem que o amigo foi explicar que num buffet, eles descontam o peso do prato né?! Mas ele não podia conter o riso, ele estava às gargalhadas em seu interior, ô toupeira.
Na mesma fila, o funcionário vem e troca o feijão, leva uma panela cheia e devolve outra cheia. Ele pergunta (em tom de brincadeira) para a sua amiga/colega:
- O que será que eles fazem com todo esse feijão velho? Jogam fora?
Ele espera profundamente que o "dã" vindo da boca de bode do amigo terninho não tenha sido pra ele. "Cuida da tua vida cara!", mas ele não respondeu, primeiro porque ele não tinha ouvido e segundo que ele não é de dar vexame.
Mais a frente, uma senhora vinha na contramão. Chegou toda gostosa peitando todo mundo e pegando as comidinhas, mas tudo isso atropelando já que ela estava vindo em sentido contrário! Será que é tão difícil assim perceber qual o sentido da fila do Buffet? Tipo assim, todas as pessoas estava caminhando e viradas para o mesmo lado, por que a dona Anta tinha que vir contra eles? Enfim.
Eles foram se sentar. Passado uns minutos, senta ao seu lado uma moça e mais duas senhoras. Antes, a moça pede para a funcionária para trazer copos. Se aqueles copos fossem mais frágeis, teriam rachado, pois a mocinha funcionária bateu o copo na mesa de tal forma, que só por Jesus o copo sobreviveu. Vale lembrar que nesse buffet não existem garçons. O pessoal ali, está trabalhando apenas para limpar as mesas quando as pessoas partem. Eles não estão ali para trazer copos à mesa. É só levantar o rabão e pegar, é fácil, simples e indolor!
Mas como tem muita gente nesse mundo, folgada e sem noção, nós continuamos assim nesse mundo cão.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Secret rendez-vous (parte I)

Ele, a Gê (mandante), a Mandy, a Polly, a Vá e a Margie. Quadrilha montada e arquitetando um plano perfeito: uma surpresa de aniversário. (viva!!!)
Tudo deveria ser ao menos perfeito, uma vez que a homenageada seria ela, a poderosa, que vive no céu: a Chefa.
Primeiro era preciso saber dos compromissos dela no dia, para pensar num horário certo para fazer tudo. Depois, descobrir seu gosto culinário, para saber o que comprar pra esse rendez-vous. E ainda por cima, o que dar de presente.
Falando assim, até parece que eles passaram praticamente um mês e meio analisando tudo nos seus mínimos detalhes. Errado! Eles chegavam a comentar sobre o assunto, mas nunca chegavam a conclusão alguma. Resultado: tudo para véspera, ou melhor, para o dia do aniversário!
Na véspera, a Gê liga para ele, querendo saber o que vão fazer no dia seguinte. E ele parecendo um disco riscado repete “não sei o que fazer”. A idéia inicial era tirar a Chefa do “céu” e levá-la ao “purgatório” (local da festa) e para isso Gê iria passar mal, e com isso a Chefa seria atraída ao local do abate. Hehehehe
Final daquele dia, ele iria descer para confabular essa história, mas, não é que a Gê passou mal de verdade e foi embora mais cedo?! E agora José?
No dia do aniversário, logo pela manhã ele recebe a ligação da Gê:
- Fui embora mais cedo ontem.
- Eu soube, você está melhor?
- Estou. Mas então, o que a gente vai fazer? Como está a agenda dela?
- Está com o dia cheio, só pausa para almoço.
- E agora? O que a gente faz? Será que levo um bolo?
- Acho que sim, mas, qual bolo?
- ....
- ....
Em algum momento eles desligaram o telefone sem nada definido. Em seguida Mandy aparece online e ficam os três conversando ao mesmo tempo: ele com Mandy no MSN que por sua vez estava com Gê ao telefone. Um leva e traz danado.
- Então o que vamos fazer? – diz Mandy.
- Não sei, tente falar com a Gê. – ele responde.
- Tô no telefone com ela. Até que horas Chefa trabalha hoje?
- Até 18h30min.
- E amanhã? Será que dá?
- Amanhã estará fora o dia todo praticamente.
- E sexta?
- Sexta-feira cheia, assim como o dia de hoje. E hoje só temos livre do 12h até 13h30min. Será que não dá pra ser sábado?
- Ela vem aqui sábado de manhã, mas nesse sábado não iremos abrir a loja.
- Ai que droga.
- Então vai ser hoje às 12h.

Secret rendez-vous (Final)

O horário estava definido e só faltava uma maneira de levar a Chefa até a loja no térreo. Tudo certo e planejado: ao meio-dia, todos subiriam da loja para dar os parabéns e levá-la para baixo como quem não quer nada e fazer a surpresa. Mas como nem tudo que reluz é ouro, a Chefa termina o seu atendimento às 11:24, ele mais que depressa pega o telefone pra ligar para Mandy e no mesmo momento Chefa pega a extensão para fazer uma ligação. Ufa, por pouco, imagine se ela os pega falando? Por fim, ele conseguiu avisar a Margie sobre o antecipado da hora. Ele tinha que tentar segurá-la ali em cima até meio dia. De repente, abre a porta, com a bolsa pronta pra sair, praticamente dando tchau. Por sorte, ele tinha alguns recados para dar, mas eram só dois e mínimos.
Recado dado, então foi a vez dela lhe passar uma tarefa (ele pensava, isso continue falando, devagar, assim o tempo corre). Mas nada, ela tinha terminado de falar e ele nem dúvida tinha para ficar perguntando (e não tinha como, estava tudo muito explicado). Em último caso, ele entregou seu presente à ela, antes da surpresa, mas ao menos iria segurá-la. E por fim segurou. Olhando para o relógio, já marcava 11:57. Ufa, ganhara tempo. Cadê essas meninas?!
E virada num foguete, a Chefa passa por ele dando tchau e ruma até a porta, se vira, faz mais uma pergunta e se manda! MEU DEUS DO CÉU E AGORA?
Ele corre ligar para Margie e Mandy avisando:
- Ela desceu, tentam pegá-la no elevador.
- Mas não era para ela descer – disse Margie.
- Eu sei, mas eu não consegui mais segurar.
Após alguns segundos a Gê liga para ele e pede que desça. Em seguida, uma confusão só. Mandy corre até o estacionamento, virada numa doida atrás da Chefa. Vai ao piso errado e precisa se apressar para chegar ao piso certo. Por sorte, como tinham convidado o filho da Chefa, que chegou com o carro bem na hora e travou sua saída, nisso Mandy consegue alcançá-la:
- A Gê tá passando mal.
- Mas como? Eu acabei de falar com ela! – responde a Chefa.
- Mas, ela tá muito mal.
(Estranho...)
Nisso, Margie liga para o celular da Chefa (sem saber que Mandy a tinha alcançado) e diz:
- Chefa, chegou uma encomenda que só você pode receber e precisa assinar.
Deus, que zona! Cada uma contando uma história, Chefa estranhou muito, primeiro que seu filho estava entrando naquele estacionamento quando ele tinha o estacionamento do SEU apartamento para deixar o carro. Segundo que cada funcionária estava contando uma história diferente. Chefa já desconfiou, mesmo assim ela foi até a loja para ver do que se tratava. Nisso, ele e a Gê estavam escondidos em uma salinha e assim que ela chegasse ao local do comes e bebes, eles apareceriam e cantariam parabéns.
Tensão! Tensão! Tensão! Mas nisso, ouvem a voz dela. Deu certo, (ufa!) conseguiram trazê-la ao local do rendez-vous. Viva! Agora era só correr pro abraço.
Pra completar:
- Não temos pratinhos e nem garfinhos!
E corre Margie atrás dos itens indispensáveis para o evento.
No final de toda essa correria e confusão, a surpresa que quase os pega de surpresa, deu certo! Eles comemoraram, e claro, riram muito de tudo aquilo.
Se fosse planejado, não teria dado tão certo.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

O dia em que a Coruja virou Tartaruga

Mal o dia amanheceu e ele estava chegando a seu trabalho. Maldito horário de verão. Em outros dias ainda seria sete da manhã, horário que normalmente estaria saindo de casa e não chegando ao trabalho.
Eis que de longe ele enxerga a ave. Sorrateira e num vôo lento e curto, a coruja se movia rumo ao seu ninho. E ele mais que apressado teve que desacelerar para não atropelar a coruja e muito menos ser visto por ela. Parecia um jogo de gato e rato, ou de detetive e bandido. Ele andando-correndo um pouco mais atrás, e a coruja quase que virando uma lesma a sua frente.
Droga, assim ele vai se atrasar, mas ele não pode passar pela coruja, ela não pode vê-lo. Deus do céu, há dias que ele não vê a coruja e queria que continuasse assim. A ave parece não querer ir para o ninho de trabalho, se move feito bicho ferido, a coruja está mais devagar que uma tartaruga. E ele com a pressa de uma lebre.
E ficam nessa corrida sem vencedor. Ele tendo que esperar a coruja-tartaruga, sem poder ultrapassá-la, para que possa chegar em paz em seu trabalho e evitar que aqueles dois olhos grudem na sua testa!
Finalmente, ele consegue, chegou. E a coruja nem notou sua presença. Ou ela usou seus olhos nas costas para observá-lo em silêncio.


Crédito: emersonfialho.files.wordpress.com

terça-feira, 21 de outubro de 2008

E foi assim

E foi quando eu decidi me libertar
E foi quando eu parei de me preocupar
E foi quando eu percebi que você parecia não me notar
E foi assim que eu parei de te esperar
E já nem mais conseguia chorar
E percebi que eu passei a me humilhar
E tentei resgatar o seu olhar
E eu já não tinha mais o que tentar
E cansei de tanto me julgar
E agora voltei a caminhar
E agora sozinho você vai ficar
E nem adeus irei deixar.

Freak like me

"...E quando você tiver tempo
quero dizer o que tenho em mente
Preciso falar, pois está muito pesado
Depois do que fizemos noite passada
Quero ficar com você pelo resto da minha vida
Estou tão contente que você seja como eu"

As paredes.

A história tem suas fases, a música tem suas fases, a moda tem suas fases, então, por que ele também não poderia ter suas fases? Quem acompanha, sabe que agora está numa fase de lamentação, ou uma fase negra (como ele costuma dizer). Creio que o que irá ler em seguida, seja o encerramento dessa fase negra e o pontapé inicial para uma nova fase, ainda sem nome, mas uma luz no fim do túnel.

Agora em silêncio, ele apenas ouve o vento agitar os galhos das árvores, consegue distinguir os diferentes cantos dos pássaros, que parecem conversar entre eles. Ou será que tentam conversar com ele?
As paredes, agora confidentes, ouvem o seu lamentar. São boas nisso. Talvez seja porque não tenham para onde ir, estão condicionadas a ficar ali, estáticas. Mas elas são ótimas em seu papel que, além de boas ouvintes, se unem para sustentar um teto, se abraçam para formar um abrigo e aconchegar seu interlocutor, que não pára de cantar a mesma canção, assim como os pássaros, que nesse momento parecem só emitir um tipo de som. Uma espécie de súplica, nos pedindo para lhes dar atenção. Mas assim como ele, não são ouvidos e para os pássaros só lhes restam as árvores, que assim como as paredes, também não têm para onde ir e terminam por assim ser, suas confidentes.
Os pássaros perdem o seu canto por entre as árvores; e ele perde suas palavras nessas paredes. Talvez num futuro distante, elas passem pra frente suas palavras. Talvez se ele parasse de falar e se aproximasse das paredes e ouvisse atentamente, conseguisse ouvir que elas respondem.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

to the floor

Sem nem pedir licença, tiraram o chão onde eu pisava. E agora, onde posso pisar? Alguém por favor devolva o chão debaixo dos meus pés! Pois eu preciso continuar caminhando...

"Era uma casa muito engraçada
Não tinha teto, não tinha nada
Ninguém podia entrar nela, não
Porque na casa não tinha chão..."

Pausa pro lanche



Indo para Oktoberfest, pudemos ter nosso café da manhã! Patrocínio da Fófas, que nos fez cookies deliciosos... chegamos bem gorrrrdos em Blumenau.
Queria poder voltar no tempo e viajar de novo. Só pra ter essa folia no ônibus...















Ainda bem que nossos bancos viravam verdadeiras camas! Pudemos ao menos relaxar na viagem... depois do café é claro!

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

data errada

Só pra constar que o Aniversário da pequena travessa foi ontem.
Pra você ver como eu presto atenção em datas né.

[...] Nessa data querida, muito doce de leite e muitos anos de vida!

Aniversário da MCDL. Devemos apagar as "velhinha"!!! \o/
Devemos cantar parabéns à você? É, talvez devêssemos. Mas como eu adoro os acasos da vida, hoje eles não verão MCDL e sua mãe. Primeiro porque eles chegam em casa super tarde e as duas já dormem e segundo que se informa, as duas irão partir em viagem hoje. Casa livre!
Talvez, eles comprem uma lembrancinha: um clips, uma tachinha, um elástico de amarrar dinheiro. Ou talvez, deixem passar batido.
Bem, a MCDL não tem culpa de nada, mas sejamos francos, tal mãe tal filha. Nada de vingança na menina, sabemos separar as coisas. Mas, pra falar com ela tem que olhar pra cara da mãe, então evitaremos por um tempo.
Será que ela perderá a "assim-chamada adoração" que tem por eles? Ou será que já perdeu e eles nem perceberam?
Mas pra não ficarem dizendo por aí que ele é malvado e tem um coração de pedra, mandou enviar essa foto em comemoração. (Apesar de que ela jamais acesse esse blog)

FELIZ ANIVERSÁRIO MCDL! MUITOS POTES DOCES DE LEITE PRA VOCÊ! POIS VOCÊ MERECE...


ÓIA QUANTOS!!! \o/


Créditos foto: caciomurilo.com.br

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Mer Girl

Pra quem acha que Madonna só fala de sexo e putaria. Pra quem acha que ela é só materialista. Vai uma de suas letras mais profundas “Mer Girl (do álbum Ray of Light de 1998)” que é uma das minhas favoritas, pela interpretação de Madonna e pelo teor da letra, pelo tom sombrio contido na canção.
Madonna fala sobre a morte de sua mãe de forma peculiar, numa viagem onde ela passa por colinas e pomares, ela entra no cemitério e então é engolida pela terra, onde parece que a cantora diz ter sido enterrada junto de sua mãe, como se fosse um último encontro. Ela narra: “E o chão se abriu debaixo dos meus pés, e a terra me pegou no colo. As folhas cobriram meu rosto, formigas andaram nas minhas costas [...] E eu senti o cheiro da carne dela queimando, a raiz dos seus ossos, seu apodrecimento”.
Pode parecer uma letra macabra, mas é uma letra onde parece que a Madonna expulsou seus demônios, ou parte deles.
Para os envolvidos na produção da música, disseram que após gravar a voz na canção e sair da sala, todos estava boquiabertos e arrepiados com a interpretação da tia Madge. Realmente, uma excelente canção.

Eu corri da minha casa que não consegue me conter
Do homem que eu não consigo manter
Da minha mãe que me assombra embora ela já tenha partido
Da minha filha que nunca dorme

Eu corri do barulho e do silêncio do tráfego das ruas
Eu corri para o topo da árvore
Eu corri para o céu
Para fora do lago
Para dentro da chuva que embaraçou meus cabelos e molhou meus pés e minha pele
Escondeu minhas lágrimas escondeu meus medos

Eu corri para a floresta
Eu corri para as árvores
Eu corri e corri eu estava procurando por mim

Eu passei pelas igrejas e pela velha e torta caixa de correio
Passei pelo pomar de maçãs e pela senhora que nunca fala
Para cima do morro eu corri para o cemitério
Segurei minha respiração e pensei em sua morte

Eu corri para o lago para cima do morro
Eu corri e corri eu ainda estou olhando

E eu vi os túmulos caídos todos os nomes esquecidos
Eu provei a chuva eu provei minhas lágrimas
Eu amaldiçoei os anjos eu provei meus medos
E o chão se abriu debaixo dos meus pés
E a terra me pegou no colo
As folhas cobriram meu rosto formigas andaram nas minhas costas
O céu negro se abriu me cegando

E eu senti o cheiro da carne dela queimando
A raiz dos seus ossos
Seu apodrecimento
Eu corri e corri e ainda continuo correndo...

quero mais!

Hoje é um dia que preciso me expressar! Mas não acho palavras suficientemente suficientes para fazê-lo.
Parece que hoje é um daqueles dias em que você come a fome não passa, ou seja, escrevo e a vontade de escrever aumenta. Porém, cada coisa que escrevo não expressa totalmente o que eu quero, e eu não consigo achar algo bom o bastante pra isso. Talvez hoje eu acabe postando mais do que o normal. Veja, esse já o terceiro post do dia, sendo que normalmente é 01 a cada dois e olhe lá. Quero escrever escrever escrever o que vier a mente, o que der na telha.

Posso parecer maluco ou depressivo. Mas preciso escrever!

Talvez alguma letra de música fale por mim.
Vamos procurar...

I Believe, I Believe, I Believe, I Believe in you

"Eu não acredito que você me conhece,
Embora você saiba meu nome
Eu não acredito que os meus deslizes
Sejam só minha culpa
Eu não acredito em mágica,
Está só na imaginação
Eu não acredito que eu amaria alguém
Só pra passar o tempo...

Mas eu acredito em você
E eu acredito em você

Eu não acredito que beleza,
Sempre será substituída
Eu não acredito que uma obra-prima
Pudesse combinar com o seu rosto
Eu não acredito que quando você morre
Sua presença não é sentida
E se você sempre tem que ir embora
Nada em meu mundo jamais poderia ser igual
Nada dura para sempre, mas juntos até o fim
Eu lhe darei tudo que eu tenho, sempre

Porque eu acredito em você
E eu acredito em você! "

Uma vez um poema.

Era uma vez João e Maria
Iriam começar a brincar de casinha
Já que seus pais foram pra outra freguesia
Mal começaram a brincar
E uma bruxa estava a se aproximar
E então em sua casinha ela foi se instalar
Ela era uma bruxa parasita
Não paga por onde transita
Nem pra comprar sua comida
João e Maria pagaram o pato
Se fossem mais bobos
Perderiam até os sapatos

Um belo dia eles acordaram
E com a bruxa eles argumentaram
Mas ela se fez de surda
Por pouco não leva uma surra
Agora eles estão de saída
A bruxa não mais sugará suas vidas
Terá a casinha toda pra ela
Pode viver na sua linda favela

João e Maria de volta na trilha de migalhas de pão
Não sabem onde vai terminar essa confusão
Esperam encontrar uma casinha de chocolate
E não mais enfrentar um novo combate
A brincadeira voltava às antigas
Mas dessa vez eles não ouvem mais cantigas
João e Maria já são bem crescidinhos
Seus pais agora não interferem em seus mundinhos
Os quatro juntos vão morar
E uma nova etapa começar.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Quando ninguém olha...

Será que existe uma recompensa para tanta provação? Quando que vou parar de ser testado? Até quando serei levado ao meu limite? Por quanto tempo ainda poderei me manter firme, tal qual uma fortaleza, e não me deixar abater para não abater os que me cercam?
A irmã ligou para a mãe deles, desabou a chorar. Em seguida, a mãe fala com ele, ele firme e forte, mostrando que tudo estava sob controle, que ele estava num mar de rosas e que tudo iria se resolver. Mas esperem, ele tão positivo assim? Quando na verdade ele deveria era mostrar pra mãe o quanto estava irritado com tudo aquilo e querendo pôr fim o quanto antes! Por que não o fez? Ele só queria mesmo, ela deixá-la tranqüila, mostrando que apesar dos pesares, eles estavam bem.
Mas de qualquer modo, ele não consegue se manter em pé por muito tempo, logo sua armadura cai e se desfaz em pó sendo levada pelo vento. Quando ninguém está olhando, sua fortazela desaba, ele volta a ser uma criança precisando de um abraço protetor.
Ele sempre pareceu uma sólida rocha, maciça, mas na verdade, aquilo sempre foi uma casca tão frágil que com uma batidinha de leve, se parte em mil pedaços.
Não poderia deixar a irmã vê-lo assim, afinal, se um desabar, tudo se cai em efeito dominó. Então ali estava ele, completamente nu, fragilizado e vulnerável. Sozinho (fisicamente), pois num outro plano, ele sabia que tinha amigos dando a força que ele mais precisa.
Ele tem medo de trocar a sua fortaleza pela amargura e se tornar seco, sem emoções, sem sentido. Ele luta para não se fechar num casulo que dá a falsa idéia de proteção, quando na verdade, não te protege das agressões do mundo e sim te deixa como um ser inanimado à parte de tudo isso. A proteção vira exclusão, vira solidão.

Enquanto isso, procuro discos-voadores!

Hoje é dia 15 e cadê os ETs?
Eu fiquei esperando, esperando, esperando... nada! Estive aqui plantando nesse Planeta Terra aguardando um sinal extraterreno, para fazer contato, para me deixar levar como cobaia para outro planeta. E nada!
Talvez morar em outro Planeta não seja tão ruim assim. Ir morar com os aliens e começar tudo de novo, em outro lugar, seria mais que perfeito.
Mas como será esse lugar onde eles vivem? Será mais frio, mais quente, mais escuro, mais claro, com muito vento, sem vento algum? Será que lá tem lagos, mares, riachos? Será que tem milhares de animais de diferentes espécies? Será que lá tem árvores? Mas espera! Estou praticamente esperando um clone da Terra. Não, eu quero que seja mais do que temos aqui.
Se alguém avistou uma nave espacial, favor avisar que eu ainda estou aqui esperando. Mandem sinal de fumaça, jogo de luz, façam o que for necessário.
Pra facilitar, meu endereço é... pronto!

"While my eyes, go looking for flying saucers in the sky"




Crédito da foto: www.ich.pucminas.br

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Made in Japan.. ou será China?

Hoje a Coruja deu lugar ao casal Nipônico. Ele foi perseguido desde a rua até o restaurante onde costuma almoçar.
Ele estava na fila do Buffet e quando se deu conta os pequenos mangás estavam atrás dele. Pôde perceber ao ouvir "Nimaxixô oxixuxá", algo que é incapaz de reproduzir, que idioma mais complicado!
Cultura machista, o velho se servia antes da velha, e são bons de garfo hein, no mínimo gastaram R$15 cada um [modo dirce desligado].
Ele foi se sentar, deu uns cinco minutos, ele ouve lá de longe "kakurembo madadai oxixuxan ioxoxo" e adivinhe só, os casal senta-se ao seu lado. (¬¬). Que felicidade, tantos lugares ali dentro, foram justo ao lado dele.
E me respondam, como conseguem falar tanto e comer ao mesmo tempo?! Tava dando tontura aquele idioma, que mais parecem gemidos do que falas. Êta idioma!
Talvez o casal tenha vindo atrás da Lasanha de Salmão, que aliás, acho que devido a crise americana aproveitaram pra estocar salmão. Ele nunca tinha visto salmão assim à Deus dará. Mas em torno de 01 semana comeu pizza de salmão e agora a lasanha. Que nessa lasanha, vamos combinar, devem ter "inteirado" com sardinha.
Enfim, devido ao prato de predreiro dos mangás, ele terminou de comer muito antes. Foi embora, olhando pra trás, cuidando de todos os lados. Vai que ao chegar de volta ao prédio onde trabalha o casalzinho se materializa bem diante dos seus olhos? Melhor prevenir.

Créditos foto: bp3.blogger.com

O dia que deveria ser de 48h!

Acorda 5:30AM em pleno sábado. O motivo: uma apresentação em Blumenau, em plena Oktoberfest. Chega ao seu destinho exatamente às 5:54AM, é o primeiro a chegar. Ele pensa "bem, poderei dormir no ônibus". Falsa ilusão.
Pouco a pouco os demais integrantes do grupo chegam. Não muito além das 07h eles partem. Seu sono, partiu junto. Ficou ali conversando com o pessoal, relembrando histórias, rindo e tudo mais. Talvez ele tenha dormido no máximo 1h, não se lembra. Ele estava atemporal, sem relógio, sem horário, sem obrigações, pois pelo menos até chegar à Blumenau, sua única obrigação era estar dentro daquele ônibus, e isso ele já tinha feito.
Ele achou que teria tempo de dormir entre desfile, almoço e apresentação.
Chegando lá, que correria, almoçar e ter que se arrumar para o desfile. A chuva caía. Todos tinham plena certeza de que não aconteceria desfile algum, todavia, foram obrigados a ir desfilar. Chegando lá, foram deixados à milhas de distância do local do desfile e tiveram que ir caminhando embaixo daquela fina garoa que caía. Se concentraram debaixo de uma marquise, e lá ficaram esperando... esperando... esperando... esperando... esperando. Até que: "Desfile foi cancelado, voltem para o ônibus".
Ele pensou que então poderia dormir até a hora do jantar, que nada. Pareceu que o dia teve apenas 6h. Quando viu, já tinha que almoçar, depois já tinha que desfilar e em seguida já era servido o jantar pois a poucas horas (exatamente às 21h30) precisavam se apresentar. Ele acha que terminou de jantar às 19h e às 20h já deveria estar pronto. Tudo de acordo e no cronograma. Mas e sono? O sono ficou em segundo plano.
Ele só dormiu na viagem de volta, que dessa vez pareceu durar apenas 30 minutos. Tinha vontade de pedir ao motorista que dirigisse o ônibus rumo à America do Norte, assim daria para dormir mais.
Chegou em casa pouco mais das 07:30AM, mal conseguindo trocar de roupa, mas o fez. Se deitou para uma soneca ligeira e quando se deu conta já eram 21:30h quando o telefone tocou e sua mão do outro lado da linha querendo saber como foi a apresentação. Ele nem tinha forças para falar. Desligando o telefone, ele desligou junto e acordou meia hora depois. Tomou banho, trocou novamente de roupa, tomou um chá, comeu algumas fatias de pão, escovou os dentes e voltou a desmaiar na cama.
Hoje, parece que tomou litros de álcool, está fora de si. Ainda está embriagado, quisera ele que tivesse se afundado em copos de chopp, então a embriaguez teria uma razão.

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Recesso.

Não vai fazer muita diferença mesmo, mas, estarei em recesso desde agora. Não atualizarei esse blog até segunda-feira. Pois amanhã a noite estarei praticamente de partida para "dançar, beber, cair e levantar" dançando "um barril de chopp...". Siiiiim, estou indo para a Oktoberfest! \o/

Bem, talvez nem notem a diferença, pois como a amiga Gê disse "seu blog parece um anuário eletrônico, pois você nunca atualiza", logo estarei sem atualizar de novo. Hehehehehe
Mas dessa vez, tem um motivo. E quando eu voltar, espero ter muita coisa pra contar sobre essa Oktober.
Se tudo der certo, não tomaremos Chopp. Temos um certo número de pessoas que não gostam de chopp, então vamos tomar drinks dançantes. Onde? Não sei! Mas vamos tomar, nem que seja sentado no meio fio olhando a lua.

Até a próxima!

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

RJ, RS ou PR?

E foi dado início a uma discussão sem fim. Cada um defendendo seu lugar, ele defendia sua cidade Curitiba, esposa defendia o Rio de Janeiro e prima defendia o Rio Grande do Sul. Qual era melhor?
Tudo começou com um Power point, falando das belezas do Rio, que faz jus à canção “...e bonito por natureza, mas que beleza!”. Realmente, devo concordar. Ao receber em seu e-mail, a esposa responde:
- Minha cidade é lindíssima!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Logo ele vai reclamar:
- A minha é mais... tá?!
E se iniciou uma troca de e-mails
- Cadê as fotos pra comprovarmos???????????? – quis saber a esposa.
- Um momento, estou ligando pra prefeitura pedindo um FOLDER bem legal...
- Tá bom a cidade de vcs podem ser lindas, agora o MEU ESTADO É O MELHOR E MAIS LINDO TAH??!!!! – disse a prima defendendo o Rio Grande do Sul.
Essa é uma discussão que não terá fim jamais. Lembrando que, eles mais estavam rindo do que discutindo de fato. A brincadeira de defender seu estado/cidade estava tão legal que eles continuaram.
- Ahhh vale lembrar.... que photoshop existe pra isso... até pra corrigir cidades. – Mandou ele.
- Bem lembrado! Aproveite que vc ainda não mandou as fotos da sua cidade e melhora antes de mandar. A minha não precisa. – Rebateu a esposa.
- Olhaa....... eu não uso photoshops na minha cidade.. nao preçiza! Ela é feia do jeito que Deus fez.. juuuuuuuuuura né.... Aqui acho que de bonito tem o céu... e nada mais! – ele responde (erros de gramática propositais).
- E assim vc acabou pôs fim à brincadeira. – respondeu a esposa.
Mas que nada, já que era pra continuar, então vamos continuar:
- Coloquei fim não... Se quiser defendo até a morte. Naqueles slides só tinha foto do mar.. claro que é mais bonito!!!!! Eu vou ficar tirando foto das árvores aqui e dizer que somos lindos tbm..
- Olhe de novo. Agora atentamente. Vc perdeu várias fotos. Mas quando foi que eu disse que a beleza do Rio não é natural?
Então acho que o cérebro dele teve uma paralisia, e saiu isso:
- Tá.. tem um senhor de braços abertos ali... uns estádios... e só. acabou. Tá tudo bem, mas então a beleza é do país e não do Rio. Aliás, do mundo.. por conseqüência do destino, acabou que ali se tornou rio de janeiro.. como poderia ser curitiba ali... então, curitiba seria mais linda, logo, não eh valido. (que é que eu tô falando meu jezuis?!)
Então travou-se a batalha entre ele e esposa:
- Não entendi a sua lógica. Mas deixe, não tente explicar de novo pq vou ficar mais confusa
- Que? Capaz.. eu explico.. eu quis dizer que beleza natural não conta, tava pronta! A cidade caiu de pára-quedas.. valeu?
- Tá bom, tá bom A beleza é natural, mas tá na minha cidade e não na sua. Valeu?
- Hmmmm... é, infelizmente ou felizmente está! Mas, coitada da beleza, é igual filho que não escolhe o pai.... aqui tem belezas naturais tbm,.... deixa eu ver... tem a.... e a..... e aquela.... viu, todas essas!
A esposa finaliza:
- Agora vamos inventar outra polemica pq esta esgotou. E eu estava me divertindo com nosso debate.
Mas eis que a prima surge ao debate, para apimentar a discussão:
- Vcs querem parar de brigar!! Vou defendê-lo, EEEI Curitiba é linda meu!!! Como que tu fala q não tm nada?! Bem Tanto faz, pq o MEU ESTADO É O MAIS LINDO.
Ih, já que começou então termina. Ele não podia deixar passar em branco. Ele ainda deu mais um parecer sobre o Rio:
- Rio de Janeiro é ruim.. berço do funk. PAUSE na polêmica por favor...tenho que ir embora e só volto mais tarde.. é feio falar de mim pelas costas... RIO GRANDE do SUL não tem nada d+, nem rio grande tem, pq rio grande quem tem é a Amazônia!
Mexeu com a prima que ficou “furiosa”:
- ( cara de espanto) AGOOOOOOORA TU MEXEU COM A PESSOU ERRADA (fala gritando e sacudindo as mãos muito irritada) QUE PORRA É ESSA? HEIN? HEIN? EU TE DEFENDO E TU ME PASSA O CALOTE?? VAIS VER, ESTOU PREPARANDO UMA VINGANÇA MALIGNA UA-HA-HA-HÁ! Rio Grande é LINDO SIM SR. VIU?!!

E terminou que todo esse debate foi parar no MSN. Eles mais riram do que defenderam suas cidades. No final, os três venceram. Cada região representada por eles tem sua beleza e seus atrativos. Afinal, moramos “num país tropical abençoado por Deus”.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Mundo porco!

Bem lembrado pela minha amiga Neeck Soso!
O lixão que deixam a cidade. Me pergunto: pra quê jogar tanto santinho no chão? Eu não costumo pegar os santinhos do chão para me decidir em quem votar. Geralmente eu ando de cabeça erguida e não caçando canditados no asfalto ou calçada.
Imundice geral, vontade de pegar todos os candidatos ali no chão e tacar fogo, mas eu iria gastar fósforo e contribuir com o efeito estufa.
Tinha que existir multa para isso e para a poluição visual que fazem, entupiram a cidade de cartazes, meu Deus, deu medo!
Mas enfim... o dia obrigatório de exercer a cidadania já foi, já fiz o meu papel obrigatório e insatisfeito com os resultados. Pois descobri que cantora virou nome próprio e agora foi uma das vereadoras mais votadas, seu nome? Cantora Mara Lima. Gostei do sobrenome "Mara". Talvez eu coloque em uma das minhas filhas... se um dia eu tiver.... pois não estou muito afim de colocar criança nesse mundo porco.

domingo, 5 de outubro de 2008

Cidadania obrigatória!

Certo, certo. Hoje ele foi exercer sua cidadania, aliás, obrigado a exercer. Que cúmulo, terem a pachorra de ficar fazendo campanha pedindo votos! Somos obrigados a votar, então, não precisam pedir muito. E pra quê tanta tecnologia?????? Pra isso que pagamos impostos? Para urnas eletrônicas de última geração?! De qualquer forma, ele votou.
Pra vereador ele achou um lá com um nome legal e uma proposta boa, então votou nele. Já para prefeito, ele digitou qualquer número, apareceu uma foto e correndo o olho pela telinha ele enxergou o vice-candidato. Que dó! Ele ficou com tanta peninha do vice que resolveu apertar o confirma. O apelo foi aceito.
Então ele foi almoçar na casa da irmã, pra fechar o domingo entendiante de votação de uma forma legal. Foi uma reunião em família, aproveitou o pai e a mãe que estão aqui na cidade, os cunhados também estavam lá (um deles o anfitrião) e até o irmão-ovelha-desgarrada que há tempos não via também estava lá.
Ao chegar, ele teve tempo de descansar ao sol, aproveitando o super movimento da rua, ele sentou e tomou um solzinho pra relaxar.






Aproveitando a paisagem, ele trocou energias com a natureza. hahahahahahahahahahhaa...
CORRE QUE ESTÁ VINDO CARRO!!!!!


E assim ele aproveitou seu domingo, e assim terminou seu domingo. Foi muito divertido, somente o momento do almoço na casa da irmã, pois a parte de "exercer" a bosta da cidadania, foi muito chata!

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Sticky & Sweet

Finalmente!!!
Finalmente!!!
Ontem ele foi buscar os ingressos para sua tão sonhada Sticky & Sweet Tour (clique).
Que emoção e que susto! Ao chegar, ele é avisado "Ontem ninguém conseguiu pegar os ingressos por falha no sistema". Novamente a porcaria da empresa Tickets For Fun nos dando dor de cabeça. Mesmo assim o atendente disse que iria testar o "novo" sistema com ele.
Tensão.. foram os segundos mais demorados de sua vida, e então.. vivaaaaaaaaaaaaa ingressos na mão!!! Ele foi o primeiro dessa cidade a conseguir pegar os ingressos!
Coisa mais linda. Coloca numa moldura! Mas no dia do show vai ter que ir com moldura e tudo. Deu tudo certo, agora mais do que nunca, confirmadíssimo que ele vai. Ele e suas irmãs. Agora é só tentar dormir e esperar chegar dezembro!

"Get up out of your seat
Come on up to the dance floor
I need plenty of heat
Just start moving your feet

Sticky & Sweet, my sugar is raw (Dance!)"



Crédito da foto: O Globo

Dores

Ele agora inventou de fazer danças de salão. Seria algo mais light do que toda a rigorosidade vinda do folclore polonês. Mas ele se enganou. Visto que eles têm agora uma preparadora física, ou seja, alongamentos de balé e exercícios de fisioterapia.
Seu corpo agora dói. Uma dor que ele jamais imaginou que pudesse sentir na vida. Corrigir postura não é algo fácil. São exercícios que parecem mais um ritual de tortura medieval, ele tem vontade de chorar, de sair correndo chamando pela mãe. Então ele respira fundo e lembra que tudo isso no futuro o ajudará e muito. Pois ele não quer ser profissional? Então, arregace as mangas, chore, esperneie, mas, se alongue!
Depois de ter ficado por 10 anos no folclore polonês, sua postura enrijecida desfavorece para alguns movimentos na dança de salão. Imagine essa pessoa dançando samba? No início foi muito complicado, seu tronco era algo inanimado, para o folclore: ótimo! Mas ele agora não estava no folclore e precisava dar vida. Bem, seu tronco agora dá alguns suspiros, mas ainda assim precisa progredir mais. A sensação é a de que ele entrou no meio da torcida do Atlético e gritou “Viva o Coxa!” ou vice e versa. Pois todas as partes de seu corpo latejam, choram, gritam desesperadas. Sua sorte, é que seu corpo já está meio acostumado a esse tipo de tortura, foram 10 anos, mas ainda se sente (citando Madonna) “tocado pela primeira vez”.

Foto: Momento do alongamento da Cia de Dança Amálgama (ele acabou sendo cortado na foto)

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Ser cunhado dele é...

Aguentá-lo cantando músicas sertanejas na volta da viagem
e ao mesmo tempo pedindo bijú, algodão doce, sorvete, rosquinhas...
...durante todo o percurso
Vê-lo desfilar com as roupas bizarras da tia...
...e tirar fotos
Colocar Paquitas no cd player do carro...
...e filmá-lo cantando e dançando
Ouví-lo dizer que é adotado

Dar flores e chocolates pra ele [que entregam pra pessoa errada]
E ainda ter que buscá-las com a Dona Olamira
Aguentá-lo pedir pelas fotos e vídeos...
...incessantemente
Ficar sem bateria no carro
Fora da cidade
E mesmo assim ir buscá-lo para um aniversário
Afinal, ser cunhado dele
É ter que dar carona toda vez que precisa passear :p
Aguentá-lo de mau-humor


Ser cunhado dele é ter um espírito alegre e arteiro
Pois não é fácil
Tanto ele quanto a irmã são duas crianças, eternamente
Alegres, malucas, divertidas...
E não basta ser só cunhado, tem que participar!