Pesquisar este blog

terça-feira, 1 de julho de 2008

GAFE

Ele passa em frente à casa da amiga, ela está fumando na sacada, ele dá um olá e diz que vai ali e já volta. Como prometido, ele liga para a amiga:
-Oi, vai sair? - ele pergunta.
-Não sei, meu marido ficou de me pegar aqui às 17:30 e até agora não veio.
-Mas posso passar aí te dar um beijo?
-Claro, sobe aí.
Ele sobe, ao entrar na casa, dá um abraço apertado na amiga e toda aquela conversa de sempre acontece: "Tudo bom?", "como vai o pai e a mãe?" etc.
E então os dois ficam ali conversando, ele nota as flores em cima da mesa e pergunta:
-De quem as flores?
-São minhas, ganhei duas do meu marido e outra de um amigo.
Ele queria perguntar o motivo das flores, mas achou melhor não se intrometer. E continuaram a conversa, de repente, uma movimentação à porta, ela se abre e entram mais alguns amigos cantando PARABÉNS PRA VOCÊ!
Meu Deus, que vergonha, era aniversário da amiga e ele nem sequer fazia idéia! Foi fazer uma visita, assim por fazer, e fez a visita na data exata do aniversário da amiga e nem ao menos deu um desejo de felicidades.
Ele se desculpou pela gafe à amiga e deu um abraço bem apertado, agora, desejando felicidades nessa data querida.
Sem contar que, a festa era surpresa, todos sabiam, menos a aniversariante e ele. Deu impressão de entrar de penetra nessa festa, mas todos foram muito legais, e como não via o pessoal há muito tempo, conversou com alguns, respondendo as mesmas perguntas: "e o pai e a mãe?", "e o irmão?", "e as irmãs?", enfim. Apesar de estar morrendo de vergonha e de se sentir totalmente deslocado, pois os amigos naquela festa eram mais amigos de seus pais do que dele, ele pôde desfrutar de algum momento de felicidade em meio ao caos.