Pesquisar este blog

sábado, 27 de setembro de 2008

A coruja (Redundância)

A turma sai para almoçar. Ele, a Gê e a massagista (ela vai me matar ao saber que foi nomeada massagista).
Muitas risadas, muita fofoca, muita comida! Mas algo incomoda, perturba. Os olhos de coruja que os perseguem. É possível sentir sua presença quando entra no ambiente.
A turma está sentada num local pouco visível para quem entra, mas ela consegue achá-los. Teria visão de raio-x?
Então, logo passa ao lado. É possível sentir aquela coruja fitando-os, então, inegávelmente, eles olham e dizem "oi". A coruja responde, vai bater asas em outra mesa para almoçar. Mas a coruja não sossega, e logo está passeando entre eles de novo, passando ao lado, e não tira os olhos de cima. O que será que tanto olha? Eles estão despenteados? Mal vestidos? Com o dente sujo? Já disseram oi, fizeram a boa politicagem, por que ainda os persegue?
A coruja chega depois que eles, e vai embora antes, mas claro, que não deixa o local sem dar aquela olhada neles. Admirador quase nada secreto? Tá querendo ser amigo? Ou será que a turma está com dívida no banco e a coruja sabe? Hohohoho, acho difícil!
Bem, últimos dias a coruja não foi avistada sobrevoando o local. Talvez foi abatida por algum caçador, ou talvez foi engaiolada pela Sra. Coruja. Eles quase puderam almoçar em paz, mas ainda assim, ficavam lembrando e esperando a coruja aparecer a qualquer momento.