Pesquisar este blog

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Natal?

Estrelando: O Tarado e O Coitado
Participação Especial: O Bobinho

Eles chegam para o almoço na casa da Mãe de Todos. O Coitado faz de conta que não conhece ninguém e evita dar oi, todavia, como são educados, todos vão e cumprimentam O Coitado. Infelizmente neste encontro também está O Tarado, não sabe passar por você sem passar a mão em você e ele ainda passa cantadas baratas sem importar se você é sobrinha ou cunhada ou criança, deu mole ele come.
Havia sido estipulado para as pessoas chegarem para o almoço Natalino por volta das 11h, o almoço de fato só saiu por volta das 13h quase 14h30. Ele pensou "isso que os pratos foram trazidos prontos, imagine se tivesse que preparar na hora." Claro que essa demora deu-se ao fato de esperarem a carne toda assar e porque O Coitado estava com as mãos "trêmulas" e não aguentava mais assar. Motivo: frescura e manter a pose de coitadinho. Passou o bastão para O Bobinho, que sempre diz que vai mandar O Coitado pastar, mas na hora H sempre cede e fica amiguinho dele.
Andar pelos corredores da casa da Mãe de Todos era perigoso, você poderia topar com O Tarado e ele começar a te apalpar. Parecia pessoa da lotação, não consegue passar sem esfregar alguma coisa em você, insuportável.
O auge do almoço não podia deixar de ser por conta de O Coitado com o seu famoso inútil discurso-ode para o falecido Pai de Todos. O Coitado ganhou uma camiseta estampada com a foto do Pai de Todos e ele fez um discurso emocionado e emocionante, que até os pássaros silenciaram e os corações pararam de bater por breves segundos. Ninguém conseguiu segurar as lágrimas porque elas nem escorreram, a vontade era de rir, e novamente, como todos são educados, simplesmente baixaram a cabeça e fingiram sentir alguma coisa naquelas palavras forçadas dele.
Almoço terminado, louça lavada e agora era hora do sorvete. Pelo menos tinha variedade e pelo menos eram de marca [esnobe, eu?]. 

Missão cumprida: passaram o Natal com a Mãe de Todos e aguentaram o martírio de se deslocar até aquela região na casa onde habitava aquele Ser (O Coitado). Foram embora com a sensação de nem precisar ter ido.