Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Meu [quase] poema mínimo

Quando sinto o vento no meu rosto, 
eu simplesmente fecho os olhos e me deixo flutuar. 
Não sei explicar a sensação, 
não importa a estação, 
pode ser vento de inverno ou brisa de verão.