Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Momento: Oi?!

Clique na imagem para aumentá-la

[insira o pensamento de cada personagem]

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Quem poderia saber?

"Você me prometeu que ficaria por perto
Eu absorvi suas palavras e eu acreditei em tudo que você me disse

Se alguém dissesse que você iria embora
Eu derrubaria a todos com um soco, porque eles estariam errados

Eu queria poder ainda te chamar de amigo
E eu não te esquecerei
O que aconteceu?...
Quem diria"

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Móveis Coloniais

Da soberania que existiu, no condado da Boa Visão, (que passou a ser o Reino dos Hortifrutis), apenas um móvel restou. É uma pequena estante, utilizada pela monarca para redigir suas cartas. Foi doada a irmã e ao cunhado I. Herança? Destino? Posse? Não sei.

Sei que o móvel deixado para a história agora é usado para apoiar o computador. Seria uma honra possuir tamanha relíquia?

Um dia veremos as fotos expostas em algum museu clássico: da Rainha (até então uma qualquer da Plebe) utilizando o móvel. Uma pequena demonstração da quase ascenção e da queda certeira de uma Realeza que pecou pela avareza.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

A Monarquia também erra

Por que os súditos é que devem desculpas à Monarquia e não o contrário?
Soberanos também erram e também são injustos. Acredito que soberania e injustiça são sinônimos.
Bem, toda vez é ele quem deve tentar resolver a situação, ele quem deve tentar se aproximar, ele quem deve procurar amenizar tudo. Por que sempre ele?
Está na hora da Monarquia aprender a se desculpar e tentar resolver a situação e não continuar agindo de forma tão dissimulada.
Ele não precisa dos Monarcas e não faz a menor questão de conviver. E os Monarcas jamais fizeram questão também de conviver, então por que diachos ele precisa correr atrás da soberania para promover a paz?

Ele quer mais é que se repita o episódio Maria Antonieta. Amém!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Porta de vidro

É feio rir da desgraça alheia, mas foi inevitável.

A fulana mora em uma casa com paredes de vidro na entrada. Paredes, portas, tudo de vidro. A casa de vidro fica quase de frente com a sua casa.
Ele então chega praticamente junto com a fulana. Ele se vira e entra na sua casa e ela se vira e entra na casa dela, poucos segundos depois BUUUUUUUUM!
Ele se virou para ver o que tinha acontecido, e percebeu que a fulana tinha metido a cabeça na porta, achando que estava aberta.
Ele começou a rir e teve que entrar correndo em sua casa antes que ela percebesse. Ficou sem ar e doeu a barriga de tanto rir.
Coitada, ela achou que a porta estava aberta e entrou com todo o vigor. Foi divertido!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Marketing polêmico

O Ano Velho se foi e o Novo veio com força.
Passando por alguns lugares de comércio, pude notar que ainda tinham a decoração de Natal. E apesar do Natal ser data de Jesus Cristinho a galera só lembra de empanturrar suas vitrines e entradas dos shoppings com Papai Noel e pacotes de presente.
É um garoto propaganda que fatura hein?!


Porém, se uma loja ou shopping eu tivesse, a minha decoração seria diferente. Claro que eu arcaria com as consequências e possível banimento do mundo católico, mas a minha decoração seria:
- Uma Virgem Maria com uma Louis Vuitton em seus braços, sua roupagem seria totalmente Versace com uma pulseira de H. Stern e sapatos Jimmy Choo.
- Um José usando roupagem VR Menswear da cabeça aos pés.
Usaria ambos em forma de manequim, posicionados entrando em meu shopping, na escadaria central. José ocupado em seu iPhone e segurando as chaves do carro e a Maria abrindo a porta do Shopping aguardando o marido (e grávida de 09 meses, é claro).
Assim seria o meu Natal, o meu marketing. Afinal, Natal é a data do menino Jesus e não do Papai Noel hohoho...