Pesquisar este blog

sexta-feira, 18 de abril de 2014

E não tinha cerveja

A páscoa chegando e com ela, um punhado de ovinhos de chocolate presenteados pela empresa. O pequeno imediatamente pede por chocolate, logo chega aos ouvidos da mãe que os ovinhos poderiam conter "licor", e como uma criança de apenas quatro anos poderia ingerir?! Nunca. - Vamos tentar enganá-lo. Passou-se alguns minutos e todos acreditando que o pequeno havia esquecido. Ah, que engano. - Quero comer os ovinhos. E agora? E um por um, dos moradores daquela casa, foram tentar convencer o menino de que aquele chocolate não era muito apropriado para o seu consumo. Em vão. Olham a caixa atentamente, nada de informações sobre o recheio dos ovinhos. Então tiveram uma ideia: - Vamos provar, caso não tenha licor, damos a ele. - Mas quem vai provar? O pai dele, claro. - Não - recusou-se o pai - o dono dos ovinhos deve provar. Enquanto todos debatiam sobre a degustação, ouvem a voz do pequeno: - Ei! Pessoal! Não tem cerveja dentro, eu posso comer! - disse com um enorme sorriso estampado no rosto. Enquanto todos se distraíram, ele abriu com todo o tempo do mundo um ovinho para ele tirou a teima. Feliz Páscoa!

segunda-feira, 7 de abril de 2014

1923

E se passaram vinte e quatro horas, levantei. Agora espero para iniciar o meu dia, tomo o meu café e logo me sento no sofá. Ligo a TV, nada interessante, mudo de canal, algo banal. Deixo ali, afinal, tenho o dia todo. Caio no sono, pois os dias estão monótonos. Acordo, é hora do almoço. A mesa já está posta, nem isso para tomar o meu tempo, só me resta sentar e comer. Termino e dou uma volta pela casa, preciso me exercitar um pouco, porém, não posso ir muito longe, minhas pernas não suportam, então vou até a varanda mesmo, sento-me e tomo um pouco de sol. Lá fora eu percebo como tudo mudou, a rua está mais movimentada, tudo está cercado com seus muros, grades e cercas eletréticas. Não faço a menor ideia de quanto tempo fiquei ali e resolvo entrar, volto para o sofá e a TV: nada interessante, mudo de canal, algo banal. Deixo ali, afinal, tenho o resto do dia. Pessoas chegam, nem as vi sair e tão logo se absorvem em suas tarefas que perpetuam do seus trabalhos até seus quartos, vivem para trabalhar e esquecem de viver. Sei que a noite chegou porque consigo espiar pela janela e enfim jantamos. Horas depois o sono chega e resolvo dormir. Logo mais vinte e quatro horas terão chegado ao fim e o que eu faço neste instante, é esperar pelo meu. Nada mais me resta, já vivi o bastante, quase um século. Agora só me basta esperar que cada dia passe, porque sempre acordarei... e se passaram vinte e quatro horas.