Pesquisar este blog

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Minha opinião: Nosso Lar

Primeiramente, eu não sou crítico de nada para sair fazendo resenhas/dando opinião sobre algo. Contudo, após assistir ao filme "Nosso Lar", baseado em uma obra de Chico Xavier e dirigido por Wagner de Assis, não pude deixar de tecer alguns comentários. O que eu esperava deste filme? Sinceramente eu não sei. O que achei depois de vê-lo? Um filme que te faz refletir, claro!
O filme já começou querendo me fazer desistir dele, a personagem principal (André Luiz) começa no Purgatório, pois durante a vida terrena ele foi uma pessoa egoísta e má. Ele precisava mudar, reconhecer seus defeitos para ir para o "céu". Tudo bem, não posso condenar isto, é uma questão de crença. Como eu creio em algo diferente, não julguei esta parte e deixei o filme continuar. 
Agora em minha visão de leigo: achei as atuações engessadas, diálogos fracos e o as frases típicas desses filmes, a personagem está cheia de dúvidas e pergunta algo e a resposta é sempre a mesma: "logo você encontrará a resposta", "um dia você saberá".
No mais, o filme me seduziu por me fazer refletir sobre questões da vida, coisas que ando pensando à respeito e o filme veio bem a calhar para o meu momento. Destaco algumas falas do filme que julguei interessantes:

"O bom da vida é sempre recomeçar", ou seja, há sempre a chance de você mudar o que está ruim, começar do zero e consertar tudo.

"A Terra era apenas uma passagem". Quero muito acreditar nisto. Quero muito acreditar que exista um 'Nosso Lar' lá no outro plano.

"Aqui os dirigentes dão o exemplo". Sonho de consumo né?! Ter os nossos líderes [políticos, religiosos, etc] dando exemplo de cidadania e humanidade.

Analisando como um todo, para mim, a mensagem do filme é uma só: sejamos bons! Vamos praticar a bondade com o próximo e conosco. Não importa a religião/crença/descrença, "Nosso Lar" é um filme que nos faz refletir sobre as nossas ações e o que podemos fazer para mudá-las enquanto há tempo. Acredito que não é preciso chegar ao "paraíso" para ter uma segunda chance e executar uma mudança, podemos começar fazendo algo de melhor aqui mesmo, na Terra.  
Posso ter visto apenas com um olhar superficial, mais mensagens podem estar ocultas, mas eu destaquei esta com a principal. Vamos começar a mudança?

image source: gelonegro.com.br

P.S.: Chica Xavier, mesmo sem fala alguma e tendo uma participação pequena, conseguiu arrancar lágrimas de mim nos momentos finais do filme. Ela simplesmente passou toda a emoção ao chorar. Eu a considero uma excelente atriz, não sei o porquê de na maioria das vezes ela fazer papel de servente, com ou sem nenhuma fala, mas tudo bem.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Hardbeat

Source:  http://laurampaulson.com/ 
Só pode ser movido à paixão por desafios, é a única explicação. Sua vida não pode ser simples e tranquila, é preciso sempre algo para agitá-la. Talvez o universo, ao criá-lo, se encarregou de fazer um ser errante e que caminhasse pelas estradas mais tortas e cheias de obstáculos que se pode encontrar. 
Ele gostaria de viver de outra forma? Não. Qual é a graça se não tivesse que superar um desafio, mesmo que diário? Ao contrário dos pessimistas de plantão, ele encara cada dia como uma vitória, e cada obstáculo vencido, como crescimento. Da mesma forma que um jogo de video game, passa um desafio e vem outro maior, uns mais demorados e outros super fáceis e ligeiros. Às vezes ele pensa que não vai conseguir, pensa em desistir. Daí ele lembra que está sempre sendo testado, para ficar mais forte. Então ele tenta continuar avançando. 


"Once I am moving I'm alright, I can keep on going through the night"


segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Last night a DJ saved my life

Para ler ouvindo (clique)

Image 'stolen' from his FB


Não foi exatamente noite passada que um DJ salvou a minha vida, mas ano passado. Foi quando ele entrou e sacudiu toda a poeira de cima de mim. Talvez ele nem faça ideia do bem que está fazendo. 
Tudo começou numa noite qualquer, num lugar qualquer (mas que eu gosto muito) e lá estava ele discotecando. Eu ainda nem fazia ideia de quem era ele. Só no dia seguinte eu fui me dar conta, graças à uma amiga que nos colocou no mesmo tweet. Bem intrometido, resolvi segui-lo e então desatamos a conversar e não paramos mais. "Então você era o DJ" eu pensei. 
E como ele salvou a minha vida? Foi num simples "pode contar comigo para...". De início aproveitei a deixa e pedi dicas de vestuário. O que seria apenas mundança no visual acabou fazendo com que eu enxergasse além das minhas roupas. Ele fez com que eu percebesse que elas precisavam refletir esse "eu" que está oculto (por vontade própria). E é claro, para isto acontecer, é preciso mudar o que está por dentro de mim, minha alma.
Paciente, atencioso e carinhoso, ele ouve minhas reclamações, bobagens, lamentações e loucuras. Ele continua fazendo com que eu procure gostar mais de mim. "Temos que trabalhar mais esta autoestima hein mocinho", ele me disse outro dia. Sim temos, Mr. DJ e você já está ajudando a mudar este cenário. Só agradeço por essa amizade!

Thank you Mr. DJ for saving my life from a self-broken a heart. 


E se...

Os olhos pesados e o corpo cansado, mas não consegue dormir. O dia está amanhecendo, e ele não consegue dormir. O sono veio com força o bastante para derrubá-lo, caso não estivesse ele já deitado. Porém, não foi forte o bastante para fazer com que dormisse.
Ele consegue fechar os olhos, de tão pesados, mas sua mente não para de martelar. Finalmente sente um progresso e começa a sonhar. De repente acorda num pulo. Se mais alguém estivesse no quarto com ele, teria acordado junto. O pior é não conseguir se lembrar do maldito sonho que o acordou num susto. O coração agora acelerado o impede de tentar adormecer novamente.
Então alguém apareceu em sua mente e frases ecoando "o que dizer?", "devo dizer?", "como dizer?". E logo esse alguém some. "Mas quem queria sumir sou eu". Sumir é a palavra da vez, mas ela também desaparece, menos ele.
Sua cabeça começa a latejar, seus olhos a reclamar de dor, seu corpo grita para que se deite. As horas passaram depressa. 
"E se..." partícula que tira o sono.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Quase atropelado

E lá estava ele, parado, esperando para atravessar. Como de costume, olhou para os dois lados. Um carro vinha da sua esquerda, e da direita não vinha ninguém. "Vou atravessar". Quando colocou o pé no asfalto, pufft, sentiu aquele vento de um raio laranja. Olhou e ficou abismado, um taxista fez a conversão totalmente na contramão, até a motorista que estava no carro esperando para arrancar ficou abismada. O táxi passou entre a ele e o carro. Para entenderem melhor, ele deu uma de Picasso e fez um desenho para ilustrar a história. Ufa, que susto, ainda bem que o táxi só fez um ventinho e bagunçou a franja dele. Por pouco, muito pouco ele teria virado pastel.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

A sala

E naquela sala ele sentiu-se vulnerável, despido dos seus escudos e suas barreiras postas abaixo. Ali estava ele, na sua forma mais crua, sua alma estava nua e exposta. É o único lugar que consegue ultrapassar os limites de sua armadura e enxergar o que há por dentro. 
Tal vulnerabilidade, porém, é necessária. Ele precisa "se despir" dessa carcaça durona e independente e mostrar toda a sua fragilidade. É em nossas fraquezas que encontraremos o que nos fortalece. 
E naquela sala ele disse tudo o que precisava ser dito. Sua guarda caiu e as lágrimas correram pelo rosto. E naquela sala em que ele se encontra totalmente frágil é onde conseguirá toda a ajuda necessária para seguir em frente, seja lá qual direção.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Pobreza pega!

Eis que um belo ele precisou pegar um certo ôni...cofcof para visitar um amigo. Ao esperar pelo veículo, ele já pode perceber o público "seleto" que estava ali com ele. "Tudo bem, é só até a próxima parada, você vai aguentar." Chega o ôni...cofcof e a boiada começou o seu estouro. Ele tratou de ficar num canto para não ser incomodado e perto da porta, para descer logo, pois aquilo encheu de uma forma que nem Freud explica. Nisso ele ouve:
- Moço! - ele olha para a senhora e ela continua - Deixa eu colocar minhas sacolas aí no canto, daí você pode ficar do lado de lá.
A senhora disse isso ao mesmo tempo em que colocava as sacolas e praticamente o empurrava para fora daquele cantinho. Ele simplesmente se moveu como a senhora mandou pediu educadamente. E ela continuou:
- Vou colocar minhas sacolas aqui se esse senhor deixar - disse ao mesmo tempo em que colocava as sacolas entre os pés do senhor e a parede. (ôni...cofcof tem parede?) Enfim, ela apoiou a sacola ali.
Educada, não? Eu sempre digo, seja pobre, mas não seja sem noção e mal educado. 

"Eu prendo a respiração, sem querer... sem querer!" (Bia Falcão)

image from: portaltelenoticias.com

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Novo ano

O ano virou e eu nem senti diferença. Antes era tudo tão mágico e eu realmente podia sentir o novo ano começando. Talvez eu tenha parado de sonhar, é isso. A realidade é um tanto dura, o ano é só mais um ano, apenas dias que vão se passando e se você ficar parado, atropelam você.
Não sei estou esperando que passem por cima ou se já estou esmagado no chão.