Pesquisar este blog

sábado, 25 de julho de 2009

Minhas palavras

Tentando achar as palavras certas
Para fazer uma rima inteligente
Tentando mostrar quem eu sou
e o que sinto
Tentando me concentrar
Mas as palavras resolveram fugir pela janela
Tentei achar a fórmula mágica
Tentei escrever um clássico
Nem imagina o trabalho que me deu
A lixeira entupida de papéis
O cérebro vazio de palavras
Mas eu consegui dizer que:

Estas palavras são minhas
Vindas do meu coração transbordante e sonhador
Sim, EU AMO VOCÊS
Descobri que não há forma melhor de dizer que os amo
do que simplesmente dizendo: EU AMO, EU AMO, EU AMO VOCÊS.

(Inspirado na canção These Words - Natasha Bendingfield)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Vamos dar as mãos...

E já que estamos no mês de Julho e ainda se pode dançar quadrilha sem ser chamado de cafona, o negócio e escolher o parzinho e puxar a fila.
Não entendeu? Pois é... eu explico.
A quitanda que [me] habita conseguiu mais frutos, talvez o cheiro do cozido de abóboras tenha aguçado o paladar alheio.
A brincadeira de casinha entre e ele e a super irmã ganhou um terceiro membro, já que ela achou alguém para juntar os adesivos de coração. Então, éramos três. E agora seremos cinco.
João e Maria brincam de casinha como faziam na infância: com a supervisão de seus pais. Sim, eles querem habitar a quitanda que [me] habita. Na verdade foi por convite [ou falta de].
Por um lado será ótimo ter os pais e colinho aconchegante para correr nos dias de tempestade, por outro, o curtiço "aboboreiro" vai pegar fogo!!!
Será que esse cozido de abóbora vai queimar? Ou cair no desgosto dos fregueses?

terça-feira, 14 de julho de 2009

Quitanda que [me] habita!

Ao acordar de um sonho ele teve a impressão de ainda sonhar. Notou que se encontrava em meio a sessão de hortifruti.
Lá estava ele na sessão das abóboras. Olhava ao redor atordoado e ainda sem entender o que acontecia resolve, então, dar uma volta pela quitanda. A surpresa foi maior ao passar por abacates, bananas, mangas, melancias, mamões e até guaranás. Até pinha tinha sua sessão.
Acreditem ou não, mas pode-se morar nessa variedade de “sabores”.

É fácil: escolha a sua casa, escolha a sua sessão, traga o caminhão com os seus móveis e venha saborear viver na rua abacates, na rua mangas, mamão ou abóbora.
Mas tenha cuidado, não venha para casa com fome ou comerá a placa!


fonte: ipt.olhares.com

sexta-feira, 3 de julho de 2009