Pesquisar este blog

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Ô Carnaval!!!!

Carnaval ô lelê o lalá! Há um ano atrás, lá estava ele na prisão (ou no apartamento da MCDL e sua mãe). Felizmente, sozinho, pulando e festejando solitário (e claro, se empaturrando de guloseimas).
Esse ano não é muito diferente. Agora, por opção, ele está novamente sozinho. Mas o cenário é outro, o momento é completamente diferente. De verdade ele brinca de casinha. Tudo é dele, e não precisa mais se preocupar com a data do retorno de MCDL e sua mãe... festa forever and ever! \o/
Let's celebrate!
A diferença essencial que se aplica é que o moço agora é universitário, e os professores não deram folga, trabalhos e textos para o carnaval. Vamos pular de noite e estudar de dia! Ou ao menos tentar. Trabalhos até que legais, exceto pelo professor de literatura que o fará assistir o infeliz filme Tróia, que ele fugiu para o lado oposto o mair rápido e longe que pôde, e que, terá que voltar atrás e assistir ou ficará sem nota. Droga! Tróia é uma droga de filme (em sua opinião). Um filme apenas para enaltecer ainda mais o eterno mocinho de Hollywood, o Pitt. Mas fazer o quê?! Vamos assistir... é o que nos resta.
Fora isso, o carnaval no seu Infinito Particular (obrigado Marisa Monte por esse termo) será espetacular ao seu modo. Ele sempre sabe como se divertir, mesmo sozinho entre essas quatro paredes. Música não falta, comida também não e tampouco animação.
Vamos... folia! É carnaval, ele gosta desse feriado apenas por ser feriado. Vamos pular!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Sono

Sono...
O tempo está passando
Sono...
O tempo é apertado
Sono...
O dia está cada vez mais curto
Sono...
Preciso esticar as horas mas e o
Sono...?

sábado, 14 de fevereiro de 2009

A fé e o medo

E do nada o chão se desfez. Era o bastante, uma informação crucial e devastadora. Nada mais ele pôde fazer, a não ser ouvir. A notícia veio como um soco bem certeiro no estômago, deixando-o sem ar, sem fala. Rezar seria o bastante? Rezar faria a diferença? Isso está realmente, agora, nas mãos de Deus? Fé, ele sempre teve e sempre terá, mas o medo caminha ali ao lado, com uma linha tênue mantendo-os separados [fé e medo].
Ele quer fazer algo, ele precisa fazer algo, mas não sabe o que deve ser feito agora. Talvez tenha apenas que esperar. Alguém muito importante para ele, pode ser que suma feito pó. Prematuramente, e nada mais ele pode fazer, não está ao seu alcance. Nem nunca esteve.
Fé.... é preciso ter fé!
Fé e medo, cada um se sentou em um ombro dele. Caminham juntos agora...

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O dinheiro se vai...

... feito um rio com forte correnteza. Passa por nós rapidinho.

Como gastar R$3 mil em 01 (hum) dia? Ensino como!
Calma, exageros à parte, mas, se tudo seguisse um certo ritmo de uma vida louca que ele possuía anteriormente, isso teria acontecido apenas com supérfluos. Todavia, dessa vez, ele colocou na balança o que era essencial e o que não era.
Como todo bom brasileiro, ele tinha dívidas, e foi tratar de pagá-las. Uma delas, saiu do roteiro, não era mais aquele pequenino valor, mesmo em atraso. O treco aumentou "duma" forma que ele quase caiu da cadeira. Mas tudo bem. Tudo quitado (quase tudo).
E também ele é filho de Deus, tratou de se presentear, mas nada muito extravagante.
Fazendo a soma, ele chegou perto de gastar tudo isso (entre dívidas e lazer), mas o que seria da vida se não pudéssemos usufruí-la ao nível máximo?
Arrependimentos não existem. Agora é hora de correr atrás dos processos seletivos para voltar a ser assalariado, pois nem só de pão vive o homem, precisa ter como pagar o pão antes.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Hand in "our" pocket

Eis que minha esposa, me faz uma surpresa. Tudo bem que eu pedi a ela que quando Hand in my pocket fosse cantada, que ela saísse do corpo e aproveitasse ao máximo o momento. Ela disse que iria filmar. Não que eu não tivesse acreditado, mas na hora sublime do show, em total êxtase, pudesse ela esquecer e em nada eu a culparia. Eu nem tirei foto da Madonna por tamanho estado de esplendor que eu me encontrava.
Agora vejo que ela gravou a canção pra mim, linda, estou sem palavras, e sensível demais ou não, me arrepiei ao ver vídeo e não pude conter algumas lágrimas. A sensação que tive foi a de como se eu estivesse lá no show.

Muito obrigado esposa... você é maravilhosa. I love you!

"because I've got one hand in my pocket and the other one is giving the peace sign"

Segue o link para quem quiser curtir conosco: http://www.youtube.com/watch?v=dDstgNbmskk

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Alanis, Alanis, Alanis

Depois do Tornado Madonna ter arrasado minha vida (no bom sentido claro), vem aí outra tempestade: Alanis Morissette.
Infelizmente não irei ao seu show, fui avisado muito em cima da hora e Madonna me assaltou, esvaziou meus bolsos e valeu muito a pena, eu faria tudo de novo sem culpa. Mas felizmente, minha esposa e cunhado irão. Quero que vocês curtam cada segundinho do show e aviso mais uma vez, se ela cantar Hand in my pocket quero que deixem sua alma sair do corpo e se deixem levar pela canção, por mim!
Que o show de vocês seja tão mágico quanto puder. Amo vocês meus queridos e tenham um bom show.


"What it all comes down to my dear friends
is that everything's gonna be fine, fine, fine
'cause I've got one hand in my pocket
and the other one is giving the peace sign"

Créditos da imagem: escoladorock.files.wordpress.com

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Processos seletivos... um modo assalariado de viver.

Ele ouvia as batidas do relógio que não existia naquela sala. O tempo parecia não passar e ele havia esquecido como eram demorados esses processos.
Se perguntou algumas vezes se não era melhor levantar e ir embora. Ao mesmo tempo pensava que deveria ficar, tudo acontece por uma razão e uma hora ele acharia a qual explicaria o porquê dele estar naquela sala, com mais aquelas 14 pessoas.
Como de costume, ele teve que se apresentar, falar um pouco da sua vida pessoal e profissional, algumas perguntas foram feitas e então pôde voltar a sentar. E as horas passando. Mais uma dinâmica pela frente, e as horas passando. Chega sua vez de fazer a dinâmica, e as horas passaram. Calor, vozes, apreensão, duas vagas.
No final das contas, ele não conseguiu, não foi dessa vez que entrou nessa empresa. Foi para casa aliviado, num misto de tristeza e satisfação, parte dele queria voltar a trabalhar e a outra parte querendo ficar em casa ao menos por um pequeno mês.
A partir de então se encontra novamente na busca, sem stress, sem cansaço, sem pressão. Vamos com calma.